HTML> Almanaque, descontração, divertimento, lógica, efemérides, inglês, redação

 


Valdir Aguilera
 Físico e pesquisador

 

 

Almanaque - Edição 125 - maio de 2018

Para pensar e praticar

Nesta seção do Almanaque, apresentamos textos retirados de obras do Racionalismo Cristão e outras de pesquisadores atuais e do passado.

A vida é eterna

Paira na mente da maioria das pessoas uma dúvida sobre se, na realidade, a vida individual humana prossegue, depois do fenômeno da chamada morte.
Diversas filosofias asseveram ser a vida eterna.
Esse ponto fundamental e verdadeiro, embasa variadas seitas e religiões.
Acontece, porém, que para colorir o painel desconhecido do que se passa do outro lado da vida terrena, foram criadas lendas e fantasias, que atemorizam ou tranquilizam as pessoas em suas devoções.
O espírito, tanto quanto o corpo fuídíco e o corpo físico, é parte integrante da estrutura de cada ser em ação na dimensão física e, por isso, dele não pode ser retirado.
Ninguém, nem mesmo a Inteligência Universal, pode destruir o espírito.
A vida é transmitida pelo espírito através do corpo fluídico.
Logo, se o corpo físico deixar de receber a vida que o espírito lhe transmite, desintegra-se, mas o espírito continua integro e, pois, imortal.

Ref.: A morte não existe, Luiz de Souza

Para mais textos, clicar AQUI

Passatempo



Menino ou menina?

Duas crianças estão conversando.
– Eu sou um menino, diz a criança de cabelos negros.
– Eu sou uma menina, diz a criança loira.
Pelo menos uma delas está mentindo. Quem é o menino e quem é a menina?

Resposta da edição anterior:

1. Cirurgia: O cirurgião é mãe do menino.

2. Números: 10 é 3, porque tem três letras.

Humor

Dirigindo na estrada



Carlos está dirigindo um carro para passar uns dias na praia. Com ele estão três amigos.
Carlos dirige muito rápido e a estrada é cheia de curvas.
– Quero descer, diz assustado um dos amigos. Você dirige como um louco!
– Fique tranquilo, meu santo é forte.
– Quero descer assim mesmo. E desceu. A viagem continuava quando outro amigo diz:
– Também quero descer.
– Não fique com medo, meu santo é forte.
– Por favor, pare. Carlos parou e o amigo desceu.
Pouco depois o terceiro também pediu para descer.
– Como eu disse, não há problema, meu santo é forte.
Mas o amigo não se convenceu e desceu.
Carlos continuou dirigindo.
– Para, também quero descer.
Carlos se espantou. Não havia mais ninguém no carro.
– Quem fala? Todos já desceram!
– É o seu santo.



Conjugando verbos
A professora chega para o Joãozinho e diz:
– Joãozinho qual é o tempo da frase: Eu procuro um homem fiel?
E então Joãozinho responde
– É tempo perdido!
  


Nó na cuca

42. O computador surgiu para resolver problemas que não tínhamos antes.



Melhore seu vocabulário em inglês

O texto a seguir foi composto com base nas 500 palavras mais usadas em inglês. Aproveite para rever seu vocabulário. Coloque o mouse sobre as palavras em vermelho para ver a tradução. Para ouvir o texto, clique aqui .

Adventures of Don Quixote - 2

Don Quixote and Rosinante have arrived at a little house. Don Quixote points at the little house and he says:
"That is a fine castle. There is a king or a lord in it. I will help him. I will be his knight".



Don Quixote can see the things in the big picture. He does not see the real things. They are in the small picture.

There is a man in front of the house. He is near the door. Don Quixote says to him:
"This is a fine place. Are you the lord of the castle? Can I be your knight?"
The man hits Don Quixote on the head. He has a thick stick, and he hits him with the stick.
The man is not a lord. His house is not a castle, and he is not a very good man.

Rosinante is not very happy. Don Quixote's armour is heavy, and the day is very hot. The horse walks slowly.

The knight sees some men.
The men are in front of Don Quixote. He points at them, and he says:
"These are brave knights. Knights fought knights in my books. They fought for their ladies. I am going fight for Dulcinea.

Don Quixote says to the men:
"Stop! Listen! Dulcinea is my lady. She is fine and beautiful. Beside Dulcinea, your ladies are not beautiful. Say that, or fight me !"

The men stopped. One man points at Don Quixote and says:
"This man is mad. He is talking foolishly. Are there any knights now? He is mad, but he has a lance and a sword. He is dangerous. Talk quietly to him."
Don Quixote says to the men: "What are you saying? Is Dulcinea not beautiful? You are not real knights. I am going to fight you."

Don Quixote's horse is not strong. It cannot run fast. Poor Rosinante cannot run fast, and Don Quixote falls. He cannot fight the men now.

The men are going. They are leaving Don Quixote on the ground.
He says, "Stop! Wait!"
He cannot stand up because his armour is very heavy.

One man has stopped near Don Quixote. Don Quixote does not see the real man. He sees a giant. The man is strong, but he is not a real giant.
The man points at Don Quixote and says: "You are mad. Be quiet!"
The man breaks Don Quixote's lance. The lance is not strong, because it is very old.
Don Quixote watches him, but he cannot stand up.

The man hits Don Quixote. He breaks his helmet. The helmet was rusty. Don Quixote cleaned it, but it is not strong.

Don Quixote is not happy. He talks to Rosinante.
"Those men were not knights,' he says. "They were wizards. Wizards are very dangerous."
Rosinante is not listening.

A man has come from Don Quixote's Don Quixote looks at the man from La Mancha.
"You are very kind," he says. "Are you a lord? Where is your fine castle?"

The man has a donkey. He puts Don Quixote on the donkey.
Don Quixote's armour is on Rosinante. His sword and his shield are on Rosinante, too. Don Quixote has arrived at his village. His friends are at his house. They see him, and they are happy. Don Quixote is on the donkey. He does not see the village or the people.



Para mais histórias, acesse a Biblioteca clicando AQUI.

Para edições anteriores do Almanaque, clique AQUI.
Envie esta página para um amigo:

Efemérides

01 maio 1829: José de Alencar
Romancista brasileiro nascido em Mecejana, CE. Foi um dos fundadores do romance brasileiro. Entre suas obras mais famosas, encontram-se O guarani e Iracema. Juntamente com Ubirajara formam a trilogia indianista do autor. Como curiosidade, mencionamos que ele era apreciador de palavras cruzadas e quebra-cabeças e cunhou o nome Iracema fazendo um anagrama com a palavra América. Sua obra Iracema está disponível na Biblioteca deste site. Faleceu no Rio de Janeiro, em 12 de dezembro de 1877.

10 maio 1746: Gaspard Monge
Matemático e acadêmico francês, conde de Péluse, nascido em Beaune. Foi um dos fundadores da famosa e tradicional École Polytechnique, de Paris. Inventor da Geometria Descritiva. Fez parte da comissão de cientistas que acompanhou Napoleão ao Egito. Fez contribuições importantes à Teoria das Equações Diferenciais Parciais. Faleceu em Paris, em 28 de julho de 1818.

11 maio 1918: Richard P. Feynman
Nasceu em Nova York. Certamente o mais notável físico norte-americano de toda a história, foi um dos pioneiros da eletrodinâmica quântica. Ganhou o Prêmio Nobel de Física de 1965. Seu curso Lectures on Physics (3 volumes) está disponível na Biblioteca deste site.Faleceu em Los Angeles, em 15 de fevereiro de 1988.

15 maio 1859: Pierre Curie
Físico francês nascido em Paris. Notabilizou-se por seus trabalhos em cristalografia, radioatividade, pizoeletricidade e magnetismo. Juntamente com sua mulher, Marie (Madame) Curie, ganhou o prêmio Nobel de Física de 1903. Faleceu em Paris, em 19 de abril de 1906.

18 maio 1883: Eurico Gaspar Dutra
Marechal do exército brasileiro, nascido em Cuiabá. Foi Presidente da República de 31 de janeiro de 1946 a 31 de janeiro de 1951. Durante seu governo, foi redigida uma nova constituição, foi abolido o jogo no país, foi inaugurada a Companhia Siderúrgica de Volta Redonda, cancelou-se o registro do partido comunista, romperam-se as relações diplomáticas com a Rússia, encampou-se a Estrada de Ferro Leopoldina. Após o seu mandato, recolheu-se à vida privada. Faleceu no Rio de Janeiro, em 11 de junho de 1974.

21 maio 1921: Andrei Dimitrievich Sakharov
Físico soviético nascido em Moscou. Desempenhou papel fundamental no desenvolvimento da primeira bomba de hidrogênio soviética. Mais tarde, pregou o desarmamento nuclear internacional. Tornou-se o líder dos dissidentes soviéticos. Em 1975, foi agraciado com o Prêmio Nobel da Paz. Faleceu em Moscou, em 14 de dezembro de 1989.

De "Almanaque" para a primeira página