Almanaque - Edição 25 - Janeiro 2010

Divirta-se

Vamos confessar?

— Você sabe para onde vão os meninos que tiram dinheiro do pai sem que ele saiba?, – perguntou o padre ao Joãozinho.
— Sei, padre. Vão ao cinema.



Duas pessoas caminhavam despreocupadamente pelo campo. Uma delas diz:
— Olhe um pássaro morto.
E a outra, olhando curiosamente para o céu:
— Onde, onde?

Físicos, matemáticos e quejandos

NOTA: estas frases foram extraídas de material distribuído numa reunião de físicos em abril de 1996, em Abilene, Texas. As sete anteriores foram publicadas na edição de dezembro último.

8. Albert Einstein: O eterno mistério do mundo é sua compreensibilidade. A coisa mais incompreensível acerca do mundo é que ele é compreensível. The eternal mystery of the world is its comprehensibility. The most incomprehensible thing about the world is that it is comprehensible.

9. Paul Dirac: É mais importante ter beleza nas equações do que tê-las ajustada às experiências... porque discrepâncias podem ser devidas a pormenores que não foram tomados em conta de forma apropriada e que serão aclarados no desenvolvimento subseqüente da teoria... Parece que aquele que estiver trabalhando sob o ponto de vista de obter beleza em suas equações, e se ele tiver um bom instinto, certamente estará na direção do sucesso. It is more important to have beauty in one's equations than to have them fit experiment ... because the discrepancy may be due to minor features which are not properly taken into account and which will get clared up in further developments of the theory . . . It seems that if one is working from the point of view of getting beauty in one's equations, and if one has a really sound instinct, one is on a sure line of success.

10. Paul Dirac: É um tipo de fé de nossa parte (incluindo Schrödinger) de que quaisquer equações que descrevam leis fundamentais da natureza devem ser dotadas de grande beleza matemática. Foi uma religião profícua e pode ser tida como a base de muitos de nossos êxitos. It was sort of (an) act of faith with us (including Schrödinger) that any equations which describe fundamental laws of Nature must have great mathematical beauty in them. It was a very profitable religion to hold and can be considered as the basis of much of our success.

11. Nicolas Bourbaki (Pseudônimo grego de um grupo de matemáticos franceses anônimos : Há uma conexão íntima entre os fenômenos experimentais e as estruturas matemáticas. Todavia, somos completamente ignorantes das razões subjacentes e, talvez, assim permaneceremos para sempre. There is an intimate connection between the experimental phenomena and mathematical structures; yet we are completely ignorant about the underlying reasons for this and we shall perhaps always remain ignorant of them.

12. Eugene Wigner: [...] a enorme utilidade da matemática nas ciências naturais é algo beirando o misterioso e [...] não há nenhuma explicação racional para isso [...] O milagre de a matemática ser apropriada para a formulação das leis da Física é um presente maravilhoso que não entendemos nem merecemos. [...] the enormous usefulness of mathematics in the natural sciences is something bordering on the mysterious and [...] there is no rational explanation for it [...] The miracle of the appropriateness of mathematics for the formulation of the laws of physics is a wonderful gift which we neither understand nor deserve.

13. John Polkinghorne (físico e teólogo): É importante reconhecer que esse profundo papel da matemática vai bastante além de uma simples necessidade de ajuste quantitativo. O que está envolvido não é mera numeração mas o poder que a matemática abstrata tem na análise de estruturas e na criação de padrões. It is important to recognize that this deep role for mathematics goes far beyond a simple need to cope with the quantitative. What is involved is not mere numeration but the structure-analysing and pattern-creating power of abstract mathematics.



Quebra-cabeça



Os objetos na figura são: copo, garrafa, jarra e pires.

Quantos copos pesam o mesmo que uma garrafa?

Resposta na próxima edição.

Resposta da edição anterior: Um tijolo e meio pesam 3 kilos.


Melhore seu vocabulário em inglês

O texto a seguir foi composto com base apenas nas 500 palavras mais usadas em inglês. Aproveite para rever ou construir seu vocabulário. Algumas palavras e expressões têm sua tradução ao longo do texto. No corpo do texto, coloque o mouse sobre a palavra ou expressão em vermelho para ver a tradução.

The rich man's sons



There was a rich man who had two sons. They were good sons and he bought a horse for each of them.

The two young men were very pleased with their horses, and rode them every day. Every night they talked about them. They asked their father about the food for the horses, and they asked him other questions every day. Each brother liked his own horse better than the other, and sometimes the two men got very angry. The house was a quiet place before the horses were bought, but now it was full of noise.

Their father became very tired of all this.

One day he died, and the two sons wanted to know about their father's money. They found a piece of paper and they read these words on it:

"When I die, my two sons must ride from London to the New Forest. I give all my money to the owner of the horse which gets to the New Forest last. I give nothing to the owner of the horse which gets there first."

The two men read this again. They sat and thought about it for a long time.
"We must start our ride to the New Forest," said one.
"I don't want to start just now," said the other. "You may start before me if you like."
"I'll wait a little," said the first man. " I'll have my dinner before I start."
"I'll start tomorrow," said the other.

They started their ride two or three days later, but they did not ride very quickly. Each man wanted the other to get to the New Forest before him. So each of them made his horse walk. When one of them got far in front of the other, he turned his horse and rode back along the road to London. When the other saw this, he did the same. They never went near the New Forest at all.

One night they came to a hotel, got off their horses, and went in. They asked for some food and two beds.

The two brothers looked very tired, and the man in the hotel said,
"You look very tired. What are you doing here? "

They told him about their horses and their father's money.

"If my horse gets to the New Forest before the other," said one of them, "I shall lose the money. If my brother's horse gets there first, I'll get all the money. So we never ride quickly. We've been on the roads now for three months. We shall never get to the New Forest. What shall we do? No one will ever get our father's money."

The man went away to bring some food, but he soon came back.

"You can be at your journey's end tomorrow," he said to one of the brothers.
"Oh, no" he answered, "I can't believe that."
"Yes, you'll be there tomorrow, or even tonight. Change horses! Ride your brother's horse. Make it get to the New Forest before your own horse."

Before he finished, the two men were running out of the hotel.

Efemérides

01 jan 1893: Paulo Setúbal
Escritor brasileiro nascido em Tatuí, SP. Seu nome completo é Paulo de Oliveira Leite Setúbal. Seus romances tratam de temas da história do Brasil, de forma leve e bem humorada. Talvez seu livro mais conhecido seja A marquesa de Santos. Para baixá-lo, clique AQUI. Faleceu em São Paulo, em 4 de maio de 1937.

01 jan 1894: Satyendra Nath Bose
Físico e matemático indiano, mais conhecido como o descobridor dos bósons (este termo foi cunhado em sua homenagem). Juntamente com Einstein, criou a estatística Bose-Einstein que descreve o comportamento dos bósons. Faleceu em Calcutá, em 4 de fevereiro de 1974.

03 jan 1894: Luiz de Mattos
Filósofo, escritor, comerciante português radicalizado no Brasil. Codificador do Racionalismo Cristão. Fundador do jornal "A Razão" e elaborou o primeiro "Manual de Redação" que se conhece. Abolicionista, acolheu em sua fazenda e protegeu escravos que fugiam de seus cativeiros. Seus eloquentes e corajosos artigos publicados no jornal que fundou causaram muita perplexidade e despertaram enorme interesse dos seus leitores. O "A Razão" passou a ser o diário mais procurado e lido na ocasião. Faleceu no Rio de Janeiro, em 15 de janeiro de 1926. Para ler uma minibiografia, clique AQUI.

04 jan 1643: Isaac Newton
Cientista inglês (físico, matemático, astrônomo, alquimista e filósofo), nascido em Woolsthorpe. Em seu livro Philosophiae Naturalis Principia Mathematica, também conhecido como Principia, descreve sua famosa lei da gravitação universal e apresenta suas três leis em que se apoia a mecânica clássica. Faleceu em Londres, em 31 de março de 1727. Ver edição de dezembro deste Almanaque.

04 jan 1839: Casimiro de Abreu
Poeta brasileiro, nascido em Barra de São João, RJ. Seu nome completo é José Marques Casimiro de Abreu. Sua obra lírica está reunida no volume As primaveras, publicado em 1859. Faleceu em Nova Friburgo. em 18 de outubro de 1860.

21 jan 1929: Martin Luther King
Ativista político norte-americano, nascido em Atlanta, Geórgia. Batalhou pelos direitos civis, principalmente dos negros e mulheres. Seu discurso mais famoso é "Eu tenho um sonho". Recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 1964. Foi assassinado em Memphis, Tenessee, em 4 de abril de 1968.

22 jan 1775: André-Marie Ampère
Matemático e físico francês, nascido em Polémieux-au-Mont-d'Or. Seus trabalhos em física mais importantes foram no campo do eletromagnetismo. Em sua homenagem, a unidade de intensidade de corrente elétrica no sistema SI se diz ampère, símbolo A. Faleceu em Marselha, em 10 de junho de 1836.

22 jan 1908: Lev Davidovich Landau
Físico russo, nascido em Baku. É considerado um dos maiores físicos do século XX. Deu importantes contribuições para o desenvolvimento de diversos campos da Física, como, Baixas Temperaturas, Estado Sólido, Atômica, Nuclear, Plasma e Energia Estelar. Muitos termos físicos levam o seu nome. Faleceu em Moscou, em 1 de abril de 1968.

23 jan 1862: David Hilbert
Matemático alemão, nascido em Königsberg. Seus trabalhos em Geometria são considerados os mais importantes desde Euclides. Propôs uma série de problemas que vêm estimulando o trabalho dos matemáticos. Faleceu em Göttingen, em 14 de fevereiro de 1943.

23 jan 1907: Hideki Yukawa
Físico japonês, nascido em Tóquio. Foi homenageado com o prêmio Nobel de Física em 1949 pelos seus trabalhos sobre partículas elementares. Com base em cálculos inteiramente teóricos, previu a existência de mésons. Foi o primeiro físico japonês com formação totalmente feita no Japão a receber o prêmio Nobel de Física. Faleceu em Kyoto, em 8 de setembro de 1981.

25 jan 1736: Joseph Louis Lagrange
Matemático italiano, nascido em Turim, distinguiu-se em todos os ramos da Análise, Teoria dos Números, Mecânica Analítica e Mecânica Celeste. Seu Mécanique Analytique, publicado em 1788, sintetiza todos os trabalhos no campo da Mecânica desde os dias de Newton. Faleceu em Paris, em 10 de abril de 1813.

Almanaque - Edição 26 - Fevereiro 2010

Divirta-se

Céu lotado

Um cara morreu e queria entrar no céu.
— Não há mais lugar, – disse o porteiro.
— Mas eu sempre fui uma boa pessoa, argumentou a alma do morto.
— Pode ser. Mesmo assim, com a lotação atual, somente heróis estão sendo admitidos.
— Heróis? Acontece que eu sou um herói.
— É mesmo? Qual foi seu ato heroico?
— Sou palmeirense e fui assistir uma partida de futebol entre meu time e o Corinthians. Fui uniformizado e sentei-me entre os torcedores do Corinthians.
— Realmente, seu heroísmo deve ser reconhecido. Quando foi isto?
— Dez minutos atrás.

Físicos, matemáticos e quejandos

A vários cientistas foi perguntado: "Qual o resultado de 2*2"?
O engenheiro pegou sua régua de calcular (esta história é antiga), manejou-a para lá e para cá e, finalmente, respondeu "3,99".
O físico consultou seu manual de referência, colocou o problema no computador, e respondeu: "o resultado fica entre 3,98 e 4,02."
O matemático pensa durante algum tempo e diz "Não sei a resposta, mas posso afirmar que existe uma solução."
O filósofo sorri: "O que você quer dizer com "2*2" ?"
O lógico responde: "Favor definir "2*2" mais precisamente."
O sociólogo: "Não sei, mas é bom falar sobre isso."
O estudante de medicina: "4".
Todos ficaram admirados. "Como você sabia?, perguntaram."
E ele respondeu: "Eu decorei".

Quebra-cabeça

Uma senhora costumava ajudar semanalmente um grupo de mendigos. Um dia ela lhes disse:

— Cada um de vocês receberá vinte reais a mais se cinco pessoas desistirem da ajuda.

Cada um deles se esforçou para fazer outros desistirem. Contudo, em vez de diminuir, o grupo cresceu com mais quatro mendigos. Em consequência, cada um passou a receber dez reais a menos.

Assumindo que a senhora dava a mesma quantidade de dinheiro toda semana, qual é essa quantidade?

Resposta na próxima edição.

Resposta da edição anterior:


Quantos copos pesam o mesmo que uma garrafa?

A terceira figura nos mostra que duas jarras pesam o mesmo que três pires, de modo que o peso de um pires é 2/3 do peso de uma jarra. Colocando um copo em cada lado da balança na segunda figura o equilíbrio continua e o prato esquerdo da balança fica igual ao prato esquerdo da primeira figura. Isso mostra que a jarra pesa o mesmo que um pires e dois copos. Como um pires equivale a 2/3 de uma jarra, os dois copos devem corresponder ao outro 1/3. Cada copo, portanto, pesa 1/6 de uma jarra.

Na primeira ilustração vemos que um copo (1/6 de uma jarra) e uma garrafa pesam o mesmo que uma jarra. Isto nos diz que uma garrafa deve pesar 5/6 de uma jarra. Assim concluímos que para equilibrar a garrafa na última ilustração vamos precisar de cinco copos.

Esclarecendo-se: O pensamento

"Os pensamentos ficam ligados à sua fonte de origem enquanto permanecer o sentimento que os gerou. Eles estabelecem verdadeiros climas ambientais proporcionadores de saúde ou de enfermidades, de alegria ou de tristeza, de triunfo ou de fracasso, de bem ou mal-estar.

Formando correntes que se cruzam em todas as direções, têm como fonte alimentadora os próprios seres encarnados e desencarnados que os emitem.

Muitas dessas correntes são, além de doentias, terrivelmente avassaladoras. Elas chegam mesmo a exercer acentuada predominância sobre as benéficas, pela grande inferioridade espiritual de que está saturada a atmosfera deste planeta.

Pensando mal o ser humano não só transmite, mas também capta na mesma intensidade, queira ou não, pensamentos afins e os efeitos desses pensamentos maléficos. Essas correntes produzem os mais sérios danos em distúrbios físicos e psíquicos."

Melhore seu vocabulário em inglês

O texto a seguir foi composto com base apenas nas 500 palavras mais usadas em inglês. Aproveite para rever ou construir seu vocabulário. Algumas palavras e expressões têm sua tradução ao longo do texto. No corpo do texto, coloque o mouse sobre a palavra ou expressão em vermelho para ver a tradução.

The same law for rich and poor (Parte 1 de 2)


Henry Bell lived in a large house in the country. When he was young, he worked hard in the city and made a lot of money. Now he was a rich man and did not go to work any more. He stayed all the time in the country. He liked to shoot birds and small animals but, best of all, he liked to catch fish.

There was a river at the back of his house and part of the river went through one of his fields. He often went there in the afternoon and stayed there until night. There were a lot of fish in his part of the river. When he caught a big one, as he sometimes did, he took it home and he and his wife had it for dinner.

One day Mr. Bell was walking through his fields when he saw a man on the bank of the river. The man was catching fish. He had a big bag with him and when he caught a fish, he put it in his bag. Mr. Bell became very angry when he saw this.

"That man's stealing my fish!" he said.

He ran to the man.

"Stop that!" he cried. "What are you doing here?"
"I'm catching fish, sir," said the man.
"I can see that. I have eyes," said Mr. Bell. "But whose field are you in?"
"I don't know, sir," answered the man.
"Well, it's my field," said Mr. Bell. "And this is my part of the river because it goes through my field. And these are my fish because you've taken them from my part of the river."
"But there are many more fish in the river," said the man. "I haven't caught them all."

Mr. Bell's face became very red when the man said this.

"That doesn't matter," he cried. "You're stealing fish from my part of the river. You're breaking the law. You're a thief."
"Oh no, sir. I'm not a thief," the man said." These fish go from one part of the river to the other. They don't always live here, so they can't be your fish."
"When they're here, in my part of the river, they're my fish," said Mr. Bell. "That's the law."
"You may be right," said the man. "I don't understand the law. I'll put the fish back in the river."
"No, you can't do that," said Mr. Bell. "They are dead now. Give them to me. I'll take them home and have them for dinner."

The man took the fish out of his bag and gave them to Mr. Bell.

"You must tell me your name, too," said Mr. Bell.
"It's West, sir," said the man.
"And where do you live, West?" Mr. Bell asked him.
"I live in that small house along the road," said West.
"Remember, West," said Mr. Bell, "don't come here again to catch fish. This is my part of the river. lf I find you here again, I'll call a policeman. Now get out of my field as quickly as you can."

So poor West had to leave his fish with Mr. Bell. They were nice big fish and Mr. Bell was very pleased with himself as he went quickly home to tell his wife. But Mrs. Bell was not at all pleased.

"Sometimes, Henry," she said, "you are not a nice man. You are very rich and Mr. West is very poor. I know his wife. They have five children and Mr. West has no work. Why did you take the fish from him?"
"Because he's a thief," said Mr. Bell. "If we let him steal our fish, soon he'll come to our house and steal the food from our table!"
"If he comes tonight," said Mrs. Bell, "he will not find any food on the table to steal."
"Why not?" asked Mr. Bell.
"Because I'm not going to make you any dinner," said Mrs. Bell.

So Mr. Bell did not have the fish for dinner.

(Continua na próxima edição)

Efemérides

06 fev 1608: Padre Antonio Vieira
Jesuíta, escritor e orador português, nascido em Lisboa. Condenado e preso pela Inquisição por desenvolver campanha em defesa dos índios. Sua obra mais famosa é Os sermões. Seu trabalho De profecia e inquisição, que é uma defesa do livro intitulado Quinto império, está disponível na Biblioteca deste site. Faleceu em Salvador, BA, em 18 de julho de 1697.

11 fev 1839: Josiah Willard Gibbs
Físico e químico norte-americano, nascido em New Haven, Connecticut, considerado o maior cientista nascido nos Estados Unidos da América. As suas aplicações da termodinâmica aos processos físicos levou à criação da Mecânica Estatística e, mais tarde, essa sua abordagem foi estendida à Mecânica Quântica. Faleceu em New Haven, em 28 de abril de 1903.

12 fev 1809: Charles Darwin
Naturalista inglês, nascido em Shrewsbury. A seleção natural, da luta pela sobrevivência dos mais aptos, é a base central da sua teoria evolucionista. Sua obra mais conhecida é A origem das espécies que tinha originalmente por título "Sobre a origem das espécies por meio da seleção natural ou a conservação das raças favorecidas na luta pela vida. Faleceu em Downe, em 19 de abril de 1882.

12 fev 1918: Julian S. Schwinger
Físico norte-americano. Abiscoitou o Prêmio Nobel de Física em 1965 pelos trabalhos fundamentais em Eletrodinâmica Quântica, com profundas implicações na Física de partículas. Faleceu em 16 de julho de 1994.

14 fev 1564: Galileo Galilei
Físico, matemático e astrônomo italiano, nascido em Pisa, é considerado o fundador do método experimental. Entrou em conflito com a Igreja devido ao seu apoio explícito às idéias de Copérnico. Quase foi conduzido à fogueira por isso. Pressionado pelo temor, renegou suas idéias, mas teve de viver o resto de sua vida em prisão domiciliar. Apenas recentemente a Igreja Católica o perdoou. Foi o primeiro a usar a Matemática para descrever os fenômenos físicos. Propôs o uso de pêndulo para relógios e desenvolveu o telescópio com o qual descobriu as crateras lunares, as manchas solares, os satélites de Júpiter e as fases de Mercúrio. Faleceu em Arcetri, nas proximidades de Florença, em 8 de janeiro de 1642.

15 fev 1850: Sonja (ou Sofia) Kowalewski
Matemática russa, nascida em Moscou. Notabilizou-se por suas valiosas contribuições para a teoria das equações diferenciais. Em 1888 ganhou o prêmio Borodin, da Academia de Ciências da Suécia, por seu trabalho sobre a rotação de um corpo rígido em torno de um ponto. Esse trabalho foi tão notável que dobraram o valor do prêmio. Faleceu em Estocolmo, em 10 de fevereiro de 1891.

18 fev 1745: Alessandro Volta
Físico italiano, conhecido especialmente pela invenção da bateria. Mais tarde, viria a receber o título de conde. Faleceu em Como em 5 de março de 1827.

19 fev 1473: Nicolaus Copérnico
Astrônomo polonês, nascido em Torun. Numa época em que a Terra era tida como o centro do universo, Copérnico revolucionou o mundo intelectual propondo o sistema heliocêntrico. Ele afirmou que a Terra girava em torno de si própria e transladava em torno do Sol. Faleceu em Frauenburg, Prússia, hoje cidade polonesa chamada Frembork, em 24 de maio de 1543.

20 fev 1844: Ludwig Eduard Boltzmann
Físico austríaco, nascido em Viena. Sua contribuição mais importante foi para o desenvolvimento da Mecânica Estatística. Foi um dos primeiros a reconhecer a teoria eletromagnética de Maxwell. Derivou a lei geral que rege a distribuição de energia num sistema e enunciou o teorema da equipartição de energia. Foi muito mal compreendido pelos seus contemporâneos que não perceberam a natureza estatística da sua abordagem dos problemas. Os ataques constantes dos colegas à sua teoria finalmente deixaram-no muito cansado e, em profunda depressão, acabou suicidando-se, em Duino, Itália, em 5 de setembro de 1906.

22 fev 1843: Visconde de Taunay
Engenheiro militar, professor e romancista brasileiro, nascido Alfredo D'Escragnolle Taunay no Rio de Janeiro. Autor de A retirada da Laguna (disponível na Biblioteca deste site) e Inocência, um dos livros mais lidos da literatura brasileira. Foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras. Faleceu no Rio de Janeiro, em 25 de janeiro de 1899.

Almanaque - Edição 27 - Março 2010

Divirta-se

Humor

Físicos, matemáticos e quejandos

Um médico, um administrador e um engenheiro discutiam sobre qual seria a mais antiga das profissões.
— Está na Bíblia, – disse o médico. Deus criou Eva a partir de uma costela de Adão. Houve, então, um procedimento cirúrgico o que prova que a minha profissão é a mais antiga.
— Lá no Gênesis está escrito que Deus criou o céu e a terra a partir do caos. Não há dúvidas de que isso requer um bom conhecimento de engenharia – disse o engenheiro.
— E quem vocês acham que criou o caos? – arrematou o administrador.

Quebra-cabeça



Recorte a suástica em quatro partes e forme um quadrado.

Resposta na próxima edição.

Resposta da edição anterior:
1.200,00. Inicialmente havia 20 mendigos.

Fenômenos físicos e psíquicos

Os fenômenos físicos, apesar de diferirem, em sua classificação, dos de natureza psíquica, são ocasionados pelo mesmo poder criador e possuem, em essência, uma origem comum. Como o Universo se compõe de Força e Matéria, tanto nas manifestações físicas quanto nas psíquicas, o agente é sempre um - a Força Criadora - a apresentar-se de múltiplas maneiras.

A exteriorização da Força, quer obedecendo às leis do plano físico, quer do psíquico, não ultrapassa os limites da fenomenologia normal enquadrada nas leis naturais, e fornece preciosos elementos, na órbita da espiritualidade, para estudos transcendentais.

Melhore seu vocabulário em inglês

O texto a seguir foi composto com base apenas nas 500 palavras mais usadas em inglês. Aproveite para rever ou construir seu vocabulário. Algumas palavras e expressões têm sua tradução ao longo do texto. No corpo do texto, coloque o mouse sobre a palavra ou expressão em vermelho para ver a tradução.

The same law for rich and poor (Final)



About a month later Mr. Bell lost his dog. As he was walking through his fields one morning, the dog ran away and did not come back. Mr. Bell called him many times and looked everywhere in his fields for him. But still he could not find the dog. So Mr. Bell went to the police station with his wife.

"We've lost our dog," he told the policeman there. "I want you to try to find him for us."
"What does the dog look like" asked the policeman." We must know that."
"He's a big white dog, with a mark on the left side of his head," said Mr. Bell.
"That will help us to find him," said the policeman. "Now Mr. Bell, do you want to give any money to the man who finds your dog?"

Mr. Bell thought. He was a rich man but he did not like to give away money.

"Yes, I'll give the man a pound," he said at last.
"Only a pound!" said his wife. "If you only give a pound, we'll never find our dog again. You must give five pounds."

She looked very angry so Mr. Bell said:

"Yes, I'll give five pounds. But try to find the dog quickly."
"We'll do our best, sir," said the policeman, as Mr. and Mrs. Bell went out. "Good day."

But it took a long time to find the dog. Every day Mr. Bell telephoned the police station and asked:

"Have you found my dog?" He always got the same answer: "No, sir, we are still looking for him."

Then one morning the policeman telephoned Mr. Bell and said:

"Good morning, sir. We've found your dog at last."
"Good. My wife will be pleased," said Mr. Bell. "When will you bring him to my house?"
"We can't do that, sir," said the policeman.
"Why not?" asked Mr. Bell.
"I said, sir," the policeman told him, "we have found your dog. But we haven't got your dog here."
"I don't understand you at all," said Mr. Bell. "What are you trying to say?"
"I'll tell you, sir," said the policeman. "It's like this. This morning I saw a man with a white dog. The dog had a mark on the left side of his head. That's Mr. Bell's dog, I thought. So I said to the man: 'Is that your dog? '
" 'Yes,' the man said. 'Why do you ask?' "
" 'Where did you get the dog? ' I asked.
" 'Oh, he ran into our house one day. I gave him some food and water and the dog stayed with us. He likes my children and they like him.'
" 'But this is someone else's dog,' I told him. 'It's Mr. Bell's dog - the man who lives in the big house along the road.'
"When I said this, the man laughed."
" 'Tell Mr. Bell this,' he said. 'When the dog lived in Mr. Bell's house, it was his dog. But it isn't his dog now. The dog has come to live in my house, so it's my dog. Mr. Bell will understand this".
"Do you understand, sir?", the police man asked Mr. Bell.
"Yes, I think so," said Mr. Bell. "The mans's name is West, isn't it?"



As 1001 noites - Como tudo começou

Os textos e figuras que vamos oferecer, foram retirados do site da coleção do Colégio Objetivo.


Houve, muito tempo atrás, um rei poderosíssimo, da dinastia dos antigos reis persas, que dominaram até a Índia e a China. Seu povo o amava por sua sabedoria e prudência. Quando morreu, o poder passou às mãos do filho mais velho, Xariar. Homem justo, Xariar fez questão de que seu irmão mais novo, Xazaman, também governasse ao seu lado. Deu-lhe, então, um de seus reinos, cuja capital era a cidade de Samarcanda. [A cidade de Samarcanda fica, atualmente no Uzbequistão, na fronteira com Afeganistão.]

Para ler o texto completo, clique AQUI.

Efemérides

03 mar 1845: Georg Ferdinand Ludwig Philipp Cantor
Matemático russo, nascido em São Petersburg. Fundador da Teoria dos Conjuntos. Introduziu o conceito de números transfinitos. Faleceu em Halle, Alemanha, em 6 de janeiro de 1918.

14 mar 1847: Castro Alves
Poeta brasileiro nascido em Curralinho-BA (hoje Castro Alves). Considerado um dos mais expressivos representantes do Romantismo brasileiro, ao lado de Gonçalves Dias. Seu livro Espumas flutuantes (disponível na Biblioteca deste site) consagrou-o para sempre. Seus poemas são lidos e admirados ainda hoje, especialmente aqueles em que denuncia a iniquidade da escravidão. Faleceu em Salvador-BA, em 6 de julho de 1871.

14 mar 1879: Albert Einstein
Físico alemão, nascido em Ulm. Considerado um dos gênios do século e mais conhecido pela sua Teoria da Relatividade Restrita. Criou também a Teoria da Relatividade Geral, ou mais apropriadamente, Teoria da Gravitação. Entretanto, o prêmio Nobel de Física que ganhou foi em razão da explicação que deu do efeito fotoelétrico e, genericamente, por seus trabalhos em Física Teórica. A partir de 1933, passou a residir em Princeton, Nova Jersey, onde trabalhou pelo resto de sua vida dedicando-se, principalmente, a encontrar uma teoria de unificação das leis físicas. Nunca aceitou a interpretação estatística da Mecânica Quântica. Neste sentido, é sua a famosa frase: "Por acaso Deus joga dados?" Quando visitou o Brasil, teria dito que é impossível citar os maiores físicos teóricos do mundo sem incluir Mario Schenberg. Faleceu em Princeton, em 18 de abril de 1955.

16 mar 1825: Camilo Castelo Branco
Escritor português, nascido em Lisboa. Foi uma das maiores figuras literárias de Portugal do século 19. Suas numerosas obras literárias incluem desde melodramas românticos até trabalhos que seguem a estética realista. Um dos maiores conhecedores do idioma português. Seu romance Amor de perdição está disponível na Biblioteca deste site. Faleceu em Seide, em 1 de junho de 1890.

21 mar 1768: Jean-Baptiste-Joseph Fourier
Matemático francês, nascido em Auxerre. Também egiptologista. Teve grande influência no desenvolvimento da física matemática em consequência do seu livro Théorie analytique de la chaleur, publicado em 1822. Contribuiu significativamente para o desenvolvimento da teoria das funções de uma variável real. Faleceu em Paris, em 16 de maio de 1830.

23 mar 1749: Pierre-Simon de Laplace
Matemático, astrônomo e físico francês, nascido em Beaumont-en-Auge. Seus trabalhos mais notáveis foram sobre Mecânica Celeste e Teoria Analítica das Probabilidades. Faleceu em Paris, em 5 de março de 1827.

23 mar 1882: (Amalie) Emmy Noether
Matemática alemã, nascida em Erlangen. Por suas importantes contribuições para o desenvolvimento da Álgebra Superior foi reconhecida como a algebrista mais criativa dos tempos modernos. Faleceu em Bryn Mawr, E.U.A., em 14 de abril de 1935.

27 mar 1845: Wilhelm Conrad Roentgen
Físico prussiano, nascido em Lennep. Por sua descoberta dos raios X, recebeu o primeiro prêmio Nobel de Física, em 1901. Faleceu em Munique, em 10 de fevereiro de 1923.

31 mar 1596: René Descartes
Matemático e filósofo francês, nascido em La Haye. Tem sido considerado o pai da filosofia moderna. Sua obra mais conhecida talvez seja o Discurso do método (disponível na Biblioteca deste site), onde aparece a famosa afirmação "Penso, logo existo". Faleceu em Estocolmo, em 1 de fevereiro de 1650.

31 mar 1906: Shin'ichiro Tomonaga
Físico japonês, nascido em Kyoto. Juntamente com Feynman e Schwinger, recebeu, em 1965, o prêmio Nobel de Física, pelos trabalhos que conduziram ao casamento (consistência) da Eletrodinâmica Quântica com a Teoria da Relatividade Restrita. Faleceu em Tokio, em 8 de julho de 1979.

Almanaque - Edição 28 - Abril 2010

Engenheiros, físicos, matemáticos e quejandos

Estavam o avô e o neto conversando, quando o neto diz:
— Ah vovô eu vou desistir de engenharia, não consigo terminar!
E o avô retruca para o neto
— Você pode desistir, mas eu vou continuar!



O que é um menino complexo?
É o que tem a mãe real e o pai imaginário.



Como se desmaia um vetor?
Apaga a pontinha que ele perde o sentido.



Um engenheiro, ao morrer, chega na porta do céu e por engano, São Pedro o confunde com outra pessoa e o manda para o Inferno. Chegando lá, vê tudo aquilo muito quente, mal cheiroso, corre corre, sem estrutura nenhuma exatamente pra receber o povo mal. Então corre para falar com Satanás e faz um projeto de modernização do inferno. Coloca
centrais de ar condicionado, escada rolante, play ground para menores infratores que morreram com o tráfico, restaurante, instalações elétricas, fornalha movida a energia química.

Deus, vendo tudo aquilo, pergunta a Pedro o que tinha acontecido, e ele confirma o engano. Deus então desce para o inferno para ter uma conversa com Satanás:
— Satanás, aconteceu um engano. Esse engenheiro, como todos os outros, era para estar no céu, ao meu lado.
— Negativo, Deus! Ele agora é meu e ninguém toma!
— Pois eu vou brigar na justiça pelos meus direitos!
— É? E onde você acha que vai encontrar algum advogado?

Problemas de lógica

Beremis Samir, um notável calculista persa, tem suas aventuras narradas por Malba Tahan (pseudônimo de Júlio César de Melo e Souza, catedrático do Colégio Pedro II, Rio de Janeiro) em O homem que calculava. Nesta edição do almanaque apresentamos um curioso problema que foi colocado a Beremis pelo califa Al-Motacen:

— Tenho cinco escravas, duas têm olhos pretos e as três restantes têm olhos azuis – começou o califa. As duas escravas de olhos pretos, quando interrogadas dizem sempre a verdade; as de olhos azuis, ao contrário, são mentirosas, isto é, nunca dizem a verdade. Vou chamá-las à sua presença. Todas terão o rosto inteiramente ocultos por espesso véu. Terás de descobrir e indicar a cor dos olhos de cada uma delas. Poderás interrogar três das cinco escravas, não sendo permitido, em caso algum, fazer mais de uma pergunta à mesma jovem. Com o auxílio das três respostas obtidas, o problema deverá ser resolvido e a solução justificada com todo rigor matemático. E as perguntas, ó calculista, devem ser de tal natureza que só as próprias escravas sejam capaz de responder.

Em seguida, as escravas foram trazidas à presença de Beremis. "Como descobrir, pelas respostas, a cor dos olhos de todas elas? Qual das três deveria interrogar? Como decidir quais as duas que ficariam alheias ao interrogatório?", pensou Beremis. O caso era, realmente, muito sério.

As cinco, embuçadas, colocaram-se em fila no centro do suntuoso salão. Fez-se grande silêncio. Nobres muçulmanos, xeques e vizires acompanhavam com vivo interesse o desfecho daquela situação.

O calculista aproximou-se da primeira escrava e perguntou-lhe:

— De que cor são os teu olhos?

Por Alá! A escrava respondeu em dialeto chinês, totalmente desconhecido pelos muçulmanos presentes, inclusive por Beremis que não compreendera uma única palavra da resposta dada!

Apesar da resposta, que Beremis não entendeu, ele foi capaz de resolver o problema. Como procedeu?

Resposta na próxima edição.

Resposta da edição anterior:


Melhore seu vocabulário em inglês

O texto a seguir foi composto com base nas 500 palavras mais usadas em inglês. Aproveite para rever seu vocabulário. Coloque o mouse sobre as palavras em vermelho para ver a tradução.

The happiest part of life

Some people in a hotel were talking about the happiest part of a man's life.

— It's best to be young, said an old man. A boy's father and mother take care of him. His food is always ready when he wants it. If he wants a little money, his father will give him some. He has a good life. He's strong.

— No, said a woman. Children are often ill, and they can't always do the things that they like. They have to go to bed when they want to stay with their friends. They have to read books when they want to go out. A child's life isn't very happy. Children often cry, but men don't cry. It's better to be a young man. He's strong and his life's before him. He has his work and it brings him money. He can always find work, because people like young workers. He can go to other towns and cities. He can even go to other countries.

— But he can't do as he likes, said the old man. He has to work for older people. And he has to work every day because he hasn't much money.

— He can always get work, she said, and if he doesn't like his work, he can leave it. And think! He may fall in love with a beautiful girl. Then he's the happiest of men.

— Oh, no, said the old man. If he falls in love, he's not happy. The girl may not love him. Some young men shoot themselves when they're in love.

— Not many.

— If he loves a girl, he wants to know everything about her, and she may not tell him very much. He's always thinking of her. If he sees her in a car with someone else, he's unhappy. He thinks about the car all day.

— But she may marry him, said the woman. Then he's happy.

— No, said the old man. He may be happy for two or three months. But soon he begins to think about money. He's afraid. He may lose his work, and now he has a wife. He must take care of her. He loves his wife, and he wants her to be rich and happy.

— He may not love her very much.

— If he doesn't love her, he's very unhappy. I'm sorry for a man who doesn't love his wife. And if he loves her, he has to work day and night.

— He'll have more money when he's older, she said. He can work hard when he's young. Then, later on, he will have a lot of money. So an old man is the happiest. His work is done. He can sit by the fire, walk in the country, talk to friends and live in a nice house. Day after day he can do just as he likes.

— No, said the old man. He may soon die, and he's afraid. He's often ill. He's not strong, and he can't do all the things that he did before.

The woman looked at the old man's face.

— So you're not happy, she said.

— Not very.

— When is a man happy? she asked.

A young man near them spoke for the first time. — I know the answer to that question, he said. Call no man happy until he is dead. The old Greeks said that, and they were right.

As 1001 noites - O pescador e o gênio



Havia um pescador muito velho e muito pobre que mal conseguia ganhar dinheiro para não deixar morrer de fome sua mulher e seus três filhos. Todos os dias, de madrugada, ele saía para pescar. Lançava sua rede ao mar quatro vezes.

Um dia, numa noite de lua, foi até a praia. Tirou a roupa, entrou na água e lançou a rede. Quando a puxou, sentiu resistência. Pensou: “Desta vez, fiz uma boa pescaria!” – e ficou muito contente. Porém, quando foi ver o que estava nas malhas da rede, notou que não passava de uma carcaça de burro, e passou da alegria à mais completa tristeza.

O pescador, então, costurou a rede, que tinha-se rasgado com a carcaça, e a lançou de novo às águas. Ao puxá-la, sentiu grande resistência e concluiu: Para ler o texto completo, clique AQUI.

Efemérides

09 abr 1869: Élie-Joseph Cartan
Matemático francês, nascido em Dolomieu. Desenvolveu a teoria dos grupos de Lie e contribuiu para a teoria das subálgebras. Faleceu em Paris em 6 de maio de 1951.

15 abr 1707: Leonard Euler
Físico e matemático suíço, nascido em Basilea. É considerado o pai da geometria analítica moderna. Introduziu o uso do cálculo infinitesimal para desenvolver a Mecânica. Também desenvolveu uma teoria para explicar os movimentos da lua (problema de três corpos) e foi pioneiro na ciência da Hidrodinâmica. Faleceu em São Petersburgo em 18 de setembro de 1783.

16 abr 1845: Julio Ribeiro
Escritor e gramático brasileiro, nascido em Sabará, MG. Não há acordo sobre o dia em que nasceu. Alguns biógrafos apontam como sendo 10 de abril. Criador da bandeira do estado de São Paulo, concebida em 1888 para ser a bandeira da República. Foi membro da Academia Brasileira de Letras. Anticlerical e ardoroso representante do Naturalismo, movimento fundado pelo francês Émile Zola. A Carne, publicado em 1888, é seu romance mais conhecido, possivelmente a sua obra-prima, e está disponível na Biblioteca deste site. Faleceu em Santos em 01 de novembro de 1890.

18 abr 1882: Monteiro Lobato
Escritor brasileiro nascido em Taubaté, SP. Dotado de grande poder de expressão e domínio de linguagem. Revolucionou a indústria e a comercialização de livros. Fundador da moderna literatura infanto-juvenil brasileira, criou personalidades antológicas, como Jeca Tatu, Visconde de Sabugosa, a boneca Emília e Dona Benta, proprietária do Sítio do Picapau Amarelo. De suas obras para adultos, destacam-se Urupês e A onda verde. Faleceu em São Paulo. em 4 de julho de 1948. (Os livros Reinações de Narizinho e O Sítio do Pica-pau Amarelo estão disponíveis na Biblioteca deste site.)

19 abr 1883: Getúlio Dorneles Vargas
Nascido em São Borja, RS, foi presidente do Brasil duas vezes: 1930-1945 e 1951-1954. Após ter sido derrotado como candidato à presidência em 1930 (na época governador do estado do Rio Grande do Sul), conduziu uma revolução que o levou ao poder. Manteve a Assembleia Constituinte até 1937, quando decidiu governar por si mesmo, criando o Estado Novo. Durante seu segundo mandato, diante dos sucessivos escândalos que abalaram o seu governo, suicidou-se no Rio de Janeiro em 24 de agosto de 1954.

20 abr 1884: Augusto dos Anjos
Poeta brasileiro nascido em Cruz do Espírito Santo, PB, famoso por sua linguagem de expressão científica. Sua obra mais conhecida é Eu ("A mais abstrusa das mesclas de lirismo espiritual e de rudeza materialista", Agripino Griecco). Faleceu em Leopoldina, MG, em 12 de novembro de 1914.

21 abr 1792: Execução e morte de Joaquim José da Silva Xavier
Nascido em Pombal, MG, em 16 de agosto de 1746 ou 12 de novembro de 1748, é mais conhecido como Tiradentes, por ter sido dentista. Grande patriota e mártir, organizou e liderou a primeira grande insurreição contra o governo português no Brasil. Considerado herói nacional, é também lembrado como um dos precursores dos movimentos de independência na América Latina. A execução se deu no Rio de Janeiro.

23 abr 1858: Max Karl Ernst Ludwig Planck
Físico alemão nascido em Kiel. Sua teoria quântica e a teoria da relatividade, de Einstein, inauguraram a era moderna da Física. Seus primeiros trabalhos, influenciados por Clausius, foram em termodinâmica. Depois dedicou-se ao estudo das propriedades físicas do corpo negro. Foi nessa ocasião que ele introduziu a ideia revolucionária da quantização da energia. Demorou muito para Planck acreditar nos quantos que ele mesmo descobriu, apesar dos trabalhos de Einstein (efeito foto-elétrico) e de Bohr (modelo atômico). Recebeu o prêmio Nobel de Física em 1918. Faleceu em Gotemburgo em 4 de outubro de 1947.

25 abr 1900: Wolfgang Pauli
Físico austríaco nascido em Viena. Passou a maior parte de sua vida em Zurique. Uma de suas contribuições mais importantes à Física Moderna é o descobrimento do Princípio de Exclusão de Pauli. Foi ele quem por primeira vez propôs a existência do neutrino (descoberto apenas 30 anos depois). Recebeu o prêmio Nobel de Física em 1945. Faleceu em Zurique em 15 de dezembro de 1958.

29 abr 1854: Henri Jules Poincaré
Matemático, cosmólogo e filósofo da ciência francês, nascido em Nancy, Lorena. Mais conhecido pelas suas inúmeras contribuições para a Matemática (pura e aplicada) e Mecânica Celeste. Considerado por muitos como o último universalista. Faleceu em Paris em 17 de julho de 1912.

30 abr 1777: Johann Karl Friederich Gauss
Matemático alemão nascido em Brunswick num pobre casebre. Inventou o método conhecido como mínimos quadrados e fez muitas contribuições para a Teoria dos Números. Descobriu uma geometria não euclidiana. Tornou-se célebre quando mostrou como redescobrir o asteroide Ceres, cujas coordenadas haviam sido perdidas. Mais tarde interessou-se pelo estudo do magnetismo, em particular do magnetismo terrestre. Também é lembrado pelas suas contribuições à Estatística e ao Cálculo Infinitesimal. Faleceu em Gotemburgo em 23 de fevereiro de 1855.

Almanaque - Edição 29 - Maio 2010

Problemas de lógica

Perguntei ao Benedito se ele queria trabalhar.

— Por que devo trabalhar?
— Para ganhar dinheiro.
— Para que serve ganhar dinheiro?
— Para guardá-lo.
— E para que guardar dinheiro?
— Quando você ficar velho, pode descansar.
— Por que trabalhar para descansar se já posso descansar agora mesmo?
Não consegui convencê-lo, mas consegui que ele tentasse trabalhar 30 dias ganhando R$40,00 por dia. Um bom salário, mas ele me devolveria R$50,00 cada dia que vagabundasse.

No fim do mês, nem eu nem ele devia nada um ao outro. Quantos dias Benedito trabalhou e quantos vadiou?

Resposta na próxima edição.

Resposta da edição anterior:

Vejamos como Beremis resolveu o problema.

Após meditar alguns minutos, Beremis aproximou-se do trono e declarou:

— Comendador dos Crentes! A primeira escrava (à direita) tem os olhos pretos; a segunda tem olhos azuis; a terceira tem olhos pretos e as duas últimas têm olhos azuis!

Erguidos os véus e retirados os pesados "haics", verificou-se que os olhos das jovens eram exatamente como Beremis havia dito.

— Pelas barbas de Maomé! exclamou o rei. Como chegaste a essa solução?
— Ao formular a primeira pergunta "Qual é a cor dos teus olhos?" eu sabia que a resposta da escrava seria fatalmente a seguinte: "Os meus olhos são pretos!". Com efeito, se ela tivesse os olhos pretos diria a verdade, isto é, afirmaria "Os meus olhos são pretos!". Tivesse ela os olhos azuis, mentiria e, assim, ao responder diria também "Os meus olhos são pretos!".
— Feita portanto, a pergunta esperei pela resposta que, previamente, conhecia. Alegando não ter entendido a resposta da primeira escrava, perguntei à segunda:
— Qual foi a resposta que a sua companheira acabou de proferir?
— As palavras dela foram "Os meus olhos são azuis" – respondeu.
— Tal resposta demonstrou que a segunda mentiu, portanto tinha olhos azuis.

Beremis tinha apenas mais uma pergunta para descobrir a cor dos olhos das quatro escravas restantes. Vejamos como procedeu.

Dirigiu-se à escrava que se achava no centro da fila e perguntou:

— De que cor são os olhos das duas jovens que acabei de interrogar?

E obteve a seguinte resposta:

— A primeira tem olhos pretos e a segunda tem olhos azuis!

Continuou Beremis:

— Ora, em relação à segunda eu não tinha dúvida (conforme já expliquei). Que conclusão pude tirar da terceira resposta? Muito simples. A terceira escrava não mentira, pois confirmara que a segunda tinha os olhos azuis. Se a terceira não mentira, os seus olhos eram pretos. Foi fácil concluir que as duas últimas, por exclusão, tinham os olhos azuis.

Melhore seu vocabulário em inglês

O texto a seguir foi composto com base nas 500 palavras mais usadas em inglês. Aproveite para rever seu vocabulário. Coloque o mouse sobre as palavras em vermelho para ver a tradução.

The Shopkeeper's journey


If I want anything, I can always get it.

There was once a shopkeeper who often said to his friends, "If I want anything, I can always get it". One night he had to go to another town to buy some things for his shop. When he went into the station, he had to wait some time for his train. He found a room with some chairs in it, but it was full of people. Every chair had someone on it, but the shopkeeper did not want to stand up. He saw a bag near one of the men who was sitting down. He could see the name of a town on the bag. The town was Fretton. The man was going to Fretton.
— The Fretton train has just come into the station, – said the shopkeeper.

— No, it hasn't, – said the man. – It always comes in just outside this door. Look! There's no train there at all.
— Not today, – said the shopkeeper –, that train has come in at the other side of the station.

The man jumped up, took his bag, and ran out of the room. The shopkeeper then sat down on the chair.

The man came back later, because the Fretton train was not at the station. He was very angry. But the shopkeeper was not in the room. He was going, with a lot of other people, to his train.

The train was very full. The shopkeeper wanted to sit down, but he was again unable to find a place. He stood up for some time. Then he put his hand to his head and began to look very unhappy.

— Are you ill ? – said a man who was sitting down.
— Just a little, – said the shopkeeper quietly.

The man stood up.

— Take my place, he said kindly.

The shopkeeper sat down.

— You're very good, he said. – Thank you very much.

He sat with his head back, and his eyes were shut. But he was not ill at all.

The man who gave him his place was tired, but he stood up all the way to the end of the journey.

At the station the shopkeeper thanked the man again and went out to find a taxi.

Outside the station there was only one taxi, and a man was just getting in. The shopkeeper did not want to walk to a hotel. So he went to the man and said,

— May I come with you?

(Continua e termina na próxima edição.)

As 1001 noites - Ali Babá e os 40 ladrões



Numa cidade da Pérsia [hoje Irã] viviam os irmãos Cássim e Ali Babá. Cássim era um dos mercadores mais ricos da cidade, mas Ali Babá vivia na miséria e tinha de cortar lenha numa floresta para sustentar a família.

Um dia Ali Babá estava cortando lenha quando viu se aproximar uma nuvem de poeira. "— Que será isso?" — pensou. Percebeu que se tratava de homens a cavalo que vinham em sua direção e, temendo que fossem bandidos, subiu numa árvore, junto a uma grande rocha, e se escondeu em meio à folhagem.

Do alto podia ver tudo sem ser visto. Então chegaram àquele lugar quarenta homens muito fortes e bem armados, com caras de poucos amigos. Ali concluiu que eram quarenta ladrões.

Os homens desapearam dos cavalos e puseram no chão sacos pesados que continham ouro e prata. O mais forte dos ladrões, que era o chefe, aproximou-se da rocha e disse:

— Abre-te, Sésamo!

Para ler o texto completo, clique AQUI.


Efemérides

01 maio 1829: José de Alencar
Romancista brasileiro nascido em Mecejana, CE. Foi um dos fundadores do romance brasileiro. Entre suas obras mais famosas, encontram-se O guarani e Iracema. Juntamente com Ubirajara formam a trilogia indianista do autor. Como curiosidade, mencionamos que ele era apreciador de palavras cruzadas e quebra-cabeças e cunhou o nome Iracema fazendo um anagrama com a palavra América. Sua obra Iracema está disponível na Biblioteca deste site. Faleceu no Rio de Janeiro, em 12 de dezembro de 1877.

10 maio 1746: Gaspard Monge
Matemático e acadêmico francês, conde de Péluse, nascido em Beaune. Foi um dos fundadores da famosa e tradicional École Polytechnique, de Paris. Inventor da Geometria Descritiva. Fez parte da comissão de cientistas que acompanhou Napoleão ao Egito. Fez contribuições importantes à Teoria das Equações Diferenciais Parciais. Faleceu em Paris, em 28 de julho de 1818.

11 maio 1918: Richard P. Feynman
Nasceu em Nova York. Certamente o mais notável físico norte-americano de toda a história, foi um dos pioneiros da eletrodinâmica quântica. Ganhou o Prêmio Nobel de Física de 1965. Faleceu em Los Angeles, em 15 de fevereiro de 1988.

15 maio 1859: Pierre Curie
Físico francês nascido em Paris. Notabilizou-se por seus trabalhos em cristalografia, radioatividade, pizoeletricidade e magnetismo. Juntamente com sua mulher, Marie (Madame) Curie, ganhou o prêmio Nobel de Física de 1903. Faleceu em Paris, em 19 de abril de 1906.

18 maio 1883: Eurico Gaspar Dutra
Marechal do exército brasileiro, nascido em Cuiabá. Foi Presidente da República de 31 de janeiro de 1946 a 31 de janeiro de 1951. Durante seu governo, foi redigida uma nova constituição, foi abolido o jogo no país, foi inaugurada a Companhia Siderúrgica de Volta Redonda, cancelou-se o registro do partido comunista, romperam-se as relações diplomáticas com a Rússia, encampou-se a Estrada de Ferro Leopoldina. Após o seu mandato, recolheu-se à vida privada. Faleceu no Rio de Janeiro, em 11 de junho de 1974.

21 maio 1921: Andrei Dimitrievich Sakharov
Físico soviético nascido em Moscou. Desempenhou papel fundamental no desenvolvimento da primeira bomba de hidrogênio soviética. Mais tarde, pregou o desarmamento nuclear internacional. Tornou-se o líder dos dissidentes soviéticos. Em 1975, foi agraciado com o Prêmio Nobel da Paz. Faleceu em Moscou, em 14 de dezembro de 1989.

Almanaque - Edição 30 - Junho 2010

Divirta-se

     Passeando pelo interior da Romênia, Carlos viu um pastor cuidando de um rebanho de ovelhas. Aproximando-se do pastor, perguntou:
— É muito caro cuidar delas?
— De quais, das brancas ou das negras?
Um pouco surpreso com a resposta, Carlos disse:
— Das brancas.
— Os gastos são iguais, tanto para as brancas como para as negras.

— Dão muita lã?
— Quais, as brancas ou as negras?
— As negras.
— Dão a mesma quantidade, quer sejam as brancas ou as negras.
— Requerem muitos cuidados?
— Quais, as brancas ou as negras?
— As brancas, respondeu Carlos já um pouco nervoso.
— Tanto umas como outras dão o mesmo trabalho.
Carlos já não se conteve. Um pouco zangado, perguntou:
— Por que sempre que faço uma pergunta você quer saber se me refiro às ovelhas brancas ou às negras?
— Porque as brancas são minhas.
— E as negras?
— Também.

Quebra-cabeça



Temos oito tijelas, quatro azuis e quatro vermelhas. Em quatro movimentos, e pegando duas tijelas adjacentes de cada vez, organizá-las de forma que fiquem dispostas em cores alternadas.
Resposta na próxima edição.

Resposta da edição anterior:
Benedito trabalhou 16 dias e 2/3; vadiou 13 dias e 1/3.

Melhore seu vocabulário em inglês

O texto a seguir foi composto com base nas 500 palavras mais usadas em inglês. Aproveite para rever seu vocabulário. Coloque o mouse sobre as palavras em vermelho para ver a tradução.

The Shopkeeper's journey (Final)


If I want anything, I can always get it.
      At first the man did not want anyone else in his taxi.
— I'll pay for the taxi if I come with you, said the shopkeeper, and you'll pay nothing.
The man was very pleased when he heard this, and the two went into the town in the same taxi. At the first hotel the shopkeeper got out and began to look at his money.
— I'm going to the next hotel, said the man in the taxi. You can't pay now. I'll pay later. Good night.
— You're very kind, said the shopkeeper. Thank you very much. Good night!

The shopkeeper walked into the hotel and asked for a room.

— You can't have a room, was the answer. We have no more rooms. The hotel's full.

The shopkeeper walked to another hotel and got the same answer there. He went to all the hotels in the town, but they were all full. He could not find a room for the night. But he was not unhappy. He went back to the first hotel.

—  Has anyone left the hotel? he asked.
— Oh, no, said the man. Some of the people have gone to bed. No one's leaving tonight.

When the man was telling him this, the shopkeeper was looking at a big book on the table. Every hotel keeps a book of this kind. When people come to the hotel, they write their names in it.

The shopkeeper saw the names in the book. One name was Tom Curry. He was a banker who lived at Sutton. The shopkeeper went out, found a telephone, and telephoned to the hotel.

— I want to speak to Mr. Tom Curry, please, he said.

He soon heard Curry at the other end of the telephone.

— Is that Mr. Tom Curry? he asked.
— Yes. This is Curry here.
— I've just come from Sutton, said the shopkeeper. You live there, don't you?
— Yes, yes.
— I've some bad news for you.
— Bad news? said Curry.
— Yes. Your house was on fire when I left. You must go back at once.
— My house on fire?
— Yes. Everyone was asking for you. I met your wife outside the house. She wanted you. She didn't know the name of your hotel. She asked me to find you and tell you about your house.

The shopkeeper put down the telephone. He knew nothing about Sutton. He was very pleased with himself, and he walked about the streets a little. He thought of a nice bed at the hotel. Then he went back to the hotel.

At the door he met a man who was leaving the hotel quickly. The man ran into the street, called a taxi, and went away in it. The shopkeeper laughed quietly and went inside.

— A man has just left the hotel. Can I have his room?
— No, was the answer. That man's house is on fire. He's going to bring his wife here. He's keeping his room. He'll soon come back.

As 1001 noites - Aladim e a lâmpada maravilhosa





Num reino da China, vivia um alfaiate muito pobre chamado Mustafá. Seu filho Aladim, um menino teimoso e desobediente, passava o dia todo nas ruas e praças da cidade. Com a morte do pai, Aladim se sentiu livre, não quis aprender uma profissão e assim viveu até os quinze anos.

Um dia, Aladim brincava numa praça com outros meninos quando chegou um estrangeiro e começou a observá-lo atentamente. Era um mago africano. Chamou o menino e lhe perguntou:

– Meu filho, seu pai não se chama Mustafá e é alfaiate?
– Sim, senhor, mas morreu há muito tempo – respondeu Aladim.

O mago, então, abraçou o menino derramando muitas lágrimas e dizendo:

– Ai, meu filho! Eu sou seu tio. Faz muito tempo que estou viajando na esperança de reencontrar meu irmão, mas você me diz que ele morreu! Só tenho um consolo: reconheço os traços de meu querido irmão em você e foi por isso que parei para olhá-lo.

Depois disso, o mago perguntou onde a mãe de Aladim morava e lhe deu um punhado de moedas para que o menino as entregasse a ela. Quando Aladim chegou a casa, contou o que acontecera e a mãe ficou espantada, pois não se lembrava de que o marido tivesse irmão ainda vivo.

No dia seguinte, Aladim brincava com outros meninos, quando de novo o mago se aproximou e lhe deu duas moedas de ouro, dizendo:

– Conte a sua mãe que esta noite eu irei visitá-la e que ela deve preparar um bom jantar, pois comeremos juntos.

Para ler o texto completo, clique AQUI.

Efemérides

07 jun 1848: Francisco de Paula Rodrigues Alves
Nascido em Guaratinguetá, SP, foi Presidente da República de 1902 a 1906. É considerado o presidente civil mais notável. Reconstruiu e embelezou o Rio de Janeiro. Reformou a Saúde Pública e foi durante o seu governo que a febre amarela foi erradicada do país. Seu extraordinário Ministro do Exterior, Barão do Rio Branco (José Maria da Silva Paranhos), notabilizou-se por sua eficiente diplomacia em questões de fronteiras com a Bolívia, Uruguai, Guiana Inglesa (hoje Guiana) e Guiana Holandesa (hoje Suriname). Foi governador de São Paulo nos anos 1887-1888, 1900-1902 e 1912-1916. Reelegeu-se presidente mas, antes da posse, faleceu no Rio de Janeiro, em 18 de janeiro de 1919.

13 jun 1831: James C. Maxwell
Físico escocês, nascido em Edimburgo. Suas contribuições à Física têm sido comparadas com as de Newton e Einstein. Seus trabalhos mais importantes foram em Eletromagnetismo, Termodinâmica e Mecânica Estatística. O fato de suas equações do Eletromagnetismo permanecerem invariantes por transformações de Lorentz foi a principal inspiração para o desenvolvimento da teoria da relatividade, de Einstein. Faleceu de câncer antes dos 50 anos, em Cambridge, em 5 de novembro de 1879.

13 jun 1888: Fernando Pessoa
Lisboense, Fernando Antonio Nogueira Pessoa é a maior figura da literatura portuguesa moderna. Escreveu obras literárias também em inglês. Pretendendo representar diferentes personalidades que sentia existir em si mesmo, escreveu, também, sob vários heterônimos, os mais famosos sendo Álvaro de Campos, Alberto Caeiro e Ricardo Reis. Uma coletânea de seus poemas está disponível na biblioteca deste site. Faleceu em Lisboa, em 30 de novembro de 1935.

13 jun 1911: Luiz Álvarez
Físico experimental norte-americano, nascido em San Francisco. Um de seus trabalhos mais conhecidos foi a datação das pirâmides do Egito usando propriedades de decaimento do 14C. Foi agraciado com o Prêmio Nobel de Física em 1968. Faleceu em Berkeley, em 1 de setembro de 1988.

17 jun 1832: William Crookes
Físico e químico inglês, nascido em Londres. Descobriu o elemento químico tálio (número atômico 81), identificou a primeira amostra conhecida de hélio, inventou o radiômetro, descobriu e pesquisou os raios catódicos (feixes de elétrons usados nos dispositivos de vídeo padrão CRT, invenção dele). Também criou um dos primeiros aparelhos usados no estudo da radioatividade nuclear. O seu livro Fatos espíritas está disponível na seção "Biblioteca" deste site. Faleceu em Londres, em 4 de abril de 1919.

19 jun 1623: Blaise Pascal
Matemático, físico e filósofo francês, nascido em Clermont-Ferrand, Puy-de-Dôme. Foi o primeiro a usar os triângulos, que ficaram conhecidos como triângulos de Pascal, no estudo da teoria das probabilidades. Seus estudos da ciclóide muito contribuíram para o desenvolvimento do cálculo infinitesimal. Suas experiências (realizadas pelo seu cunhado) confirmaram que o ar tem peso. Seus estudos sobre Hidrodinâmica e Hidrostática conduziram ao descobrimento da lei de Pascal, lei básica da Hidráulica. Seu pensamento filosófico-religioso enfatiza a importância das razões do coração sobre as da própria razão. Faleceu em Paris, em 19 de agosto de 1662.

21 jun 1839: Machado de Assis
Contista, crítico, cronista, dramaturgo, ensaísta, jornalista, novelista, poeta e romancista, nascido no Rio de Janeiro. Considerado o fundador da Academia Brasileira de Letras, foi seu primeiro presidente, cargo que ocupou até sua morte. Oferecemos, para seu deleite, o livro A mão e a luva, disponível na seção "Biblioteca. Faleceu no Rio de Janeiro, em 29 de setembro de 1908.

29 jun 1810: Ernst Eduard Kummer
Matemático, nascido em Sorau, Brandeburgo, hoje Polônia. Introduziu os números ideais, que são um subgrupo especial de um anel, levando à extensão do teorema fundamental da Aritmética ao campo dos números complexos. Faleceu em Berlim, em 14 de maio de 1893.

Almanaque - Edição 31 - Julho de 2010

Humor

Para quem tem pouco tempo



Passatempo

Num conjunto de 24 bolas, todas são rigorosamente iguais, exceto uma que pesa um pouco menos. Usando uma balança de pratos, como a da figura, determine qual é a mais leve em apenas 3 pesadas.
Resposta na próxima edição.

Resposta da edição anterior:

Numere as tijelas de 1 a 8, começando com a azul.
Mova as tijelas 2 e 3 para a extremidade direita (ao lado da última vermelha);
preencha o espaço feito com as tijelas 5 e 6;
preencha o novo espaço com as tijelas 8 e 2; finalmente, preencha o novo espaço com as tijelas 1 e 5.
O resultado será este:

Para pensar: O valor

Os textos apresentados nesta seção foram retirados de obras do Racionalismo Cristão.

O valor, que todos possuem em maior ou menor dimensão, é um dos ângulos marcantes da personalidade humana.

Quanto mais o caráter se consolida no rigor do trabalho cotidiano e na luta voltada para a prática do bem, mais o ser humano sente a necessidade de pôr à prova o seu valor, a fim de que os resultados correspondam aos esforços empregados. Sempre que alguém, ao definir-se por uma conduta, tiver de apelar ao próprio valor e dele se socorrer para traçar a diretriz a seguir, ganha o seu acervo mais um reforço, mais um estímulo, mais uma parcela de enriquecimento. Não há quem não tenha a oportunidade de externá-lo, a cada passo, por algum feito, por repousar nele o verdadeiro bem-estar íntimo que satisfaz a consciência, alegra o semblante e, como recompensa maior, transmite à pessoa o agradável sentimento do dever cumprido.

Melhore seu vocabulário em inglês

O texto a seguir foi composto com base nas 500 palavras mais usadas em inglês. Aproveite para rever seu vocabulário. Coloque o mouse sobre as palavras em vermelho para ver a tradução.

He laughs longest who laughs last

HENRY KENDAL walked into his house, took off his big coat, and sat down. Then he read the letter again: I want five hundred pounds (said the letter), and I'll come to your house to get it. You may have four days to get the money ready. Five hundred pounds is not very much for a rich man like you. "Why must I pay?" you will ask. I'll tell you the answer. I knew your father. He made banknotes, didn't he? Do you want everyone to know this ? I don't think so. I'll tell everyone if you don't pay. So have the money ready when I come. One pound notes, please, and old notes. Don't tell anyone. Be alone when I come. I don't like the police. A.B.C.

Kendal's face was troubled. He was rich now, but in the old days he was poor. When he was a boy at Camber, his father got into trouble with the police. His father had a small room at the back of the house. He made bad money in this room. He made banknotes, hundreds of them. But the police came to the house one day, and they found some of the notes. They did not find all of them, because his father did a lot; but they found some and they caught his father. That was the end of the boy's home life. The police took his father away, and young Henry left home. Everyone in Camber knew his father, and the boy did not like to stay in the town. He left his mother and ran away. He came to Norton.

No one in Norton knew the boy, and he told no one about his father. At first the boy got some work in a shop, but after some years he found work at the bank. Everyone liked him. He worked hard. He had a happy face. He helped everyone when he could. He got better and better work at the bank, and now he had the highest place there. A lot of people knew him well and liked him.

His father was dead now, but someone knew about him! What could Kendal do?

"If anyone tells people about my father," he thought, "I must leave the bank. That will be the end of my happy life." He looked up from the letter at his beautiful room. He was not married; he did not want to tell any girl the story of his father. So he lived alone. A woman came every day to clean the house for him.

He put the letter on the table and began to think. "If I pay the five hundred pounds," he thought, "A.B.C. may ask for more next month. When this kind of thing starts, it never stops. Five hundred; six hundred next month. And if I pay him, he may tell someone. He may take the money, and then he may tell people. Shall I tell the police? But if I do that, I must tell them about my father. And I don't know A.B.C. How can I find out his name? I must see him." He looked sadly into the fire. "I've worked hard for many years," he thought. "Is this the end?"

But Kendal was a fighter. "If life is hard," he thought, "I must fight it. There must be something that I can do. I don't want to tell the police. Is there another way? What shall I do? What shall I do?"

He sat and thought for a long time. He could not remember anyone in the old days at Camber whose names began with A.B.C. But when he stood up to go to bed, he knew the answer to his question.

Four nights later, Kendal was sitting at his table at home. He heard the noise of a car far away. It came nearer, but it did not come to the house. The car stopped some way along the road.

The sound of a man's feet came to the door, and Kendal went to open it. There was not much light outside.

"Kendal?" asked the man who stood there. Kendal could just see a face which was partly covered with a piece of cloth. Two hard eyes looked out through two holes in the cloth. Kendal thought, "I shall never see the face."

"Yes," said Kendal. "Are you the man who calls himself A.B.C.?"
"Yes. Are you alone?"
"Yes. Come in."
"Walk in front of me," said the man.

Kendal turned, and the man shut the door. Kendal took him into the house. In the light of the room, Kendal could see better. The man was carrying a gun. The man came into the room and turned his head to left and right.

"There's no one here," said Kendal. "You can put that gun away. You're a bigger man than I am. There's a chair by the fire. Sit down."
"There may be someone in another room," said the man coldly. "There may be a policeman in the house."
"I don't want any policeman to know about my father," said Kendal. "Look in the other rooms if you like. You'll not find anyone."

The man sat down in the chair by the fire and put his gun away. His eyes never left Kendal's face, but he laughed.

"So you're going to pay," he said. "You're right, Kendal. It's better. What will people think if I tell them about your father? Will they want you to stay at the bank? I don't think so, and you don't think so." He laughed again.
"What will you do if I show your letter to the police?" said Kendal. "You're breaking the law, and I still have your letter."

A.B.C. looked at Kendal's face.

"You'll never show it to anyone," he said. "And you don't know my name. Now don't talk any more. Where's the money?"
"Must it be five hundred?" asked Kendal. "Five hundred pounds is a lot of money."
"It's nothing to a man like you," said A.B.C. "You've a lot more than that now. Where is it? Have you got it? Be quick! I don't want to sit here all night. Give me the money at once."

Kendal walked over to his table. The man's hard eyes under the cloth looked at him. Kendal took out some banknotes. He did not speak. He put the money into the man's hands. The notes were old and dirty. "Good!" said A.B.C. "The notes are old." He turned them over in his hands, one by one.
"Yes," he said. He stood up. "There are five hundred, as I told you. We've had no trouble, and I'm glad, Kendal." He walked to the door of the room and opened it quickly. No one was outside.

At the front door A.B.C. turned for a last word. "You don't know me," he said, "and so you can't tell the police about me. I may come again. I may come next month if I want some more money. You haven't finished with A.B.C. Good night, Mr. Kendal." He laughed and walked quickly away. Kendal waited by the door. Soon he heard a sound. A car started some way along the road.

Kendal went back to the fire and sat down. " I haven't finished with A.B.C." he thought. "I don't know his name, but I haven't finished with him." He began to laugh quietly.

(continua na próxima edição)

As 1001 noites - As aventuras de Simbad, o marujo

No reinado do califa Harun ar-Rachid,24 vivia em Badgá um carregador muito pobre chamado Hindbad. Um dia, sob forte calor, Hindbad transportava uma carga muito pesada de um extremo a outro da cidade. Cansado, parou perto de um grande palácio, de cujas janelas provinham um delicioso perfume e o som harmonioso de instrumentos e de pássaros.
A música e o cheiro apetitoso dos mais requintados pratos levaram Hindbad a concluir que ali acontecia um grande banquete. Querendo saber quem morava naquele lugar luxuoso, perguntou a um dos criados que estavam na entrada do palácio como se chamava seu dono. Esta foi a resposta:
– O quê? Você mora em Bagdá e não sabe que esta é a morada de Simbad, o famoso navegante que percorreu todos os mares iluminados pelo sol?

O carregador que, de fato, tinha ouvido falar em Simbad, sentindo inveja desse homem, disse:

– Ó poderoso criador de todas as coisas, que diferença existe entre a minha situação e a de Simbad! Eu tenho de trabalhar como um condenado e suportar mil males todo dia! Enquanto isso, Simbad gasta suas imensas riquezas numa vida cheia de prazeres. Que foi que ele fez para merecer tanta felicidade? Que eu fiz para merecer um destino tão desgraçado?

Para ler o texto completo, clique AQUI.

Regrinhas simples para bem escrever

Clique AQUI para baixar um arquivo DOC com regrinhas simples para evitar cometer erros comuns.

Efemérides

1 jul 1646: Gottfried Wilhelm von Leibniz
Matemático, geólogo, jurista, historiador e filósofo alemão, descobridor do Cálculo Infinitesimal (simultânea e independentemente de Newton), nascido em Leipzig. Seu conceito do universo concebido como uma harmonia preestabelecida, sua análise do demônio, sua epistemologia, lógica e filosofia da natureza colocam-no entre os filósofos de maior estatura. Sua obra ajudou a moldar a mente dos iluministas. Faleceu em Hanover, em 14 de novembro de 1716.

2 jul 1914: Mário Schenberg
Engenheiro elétrico, físico, escritor e crítico de artes plásticas, nascido em Recife, PE. Conhecido internacionalmente principalmente por seus trabalhos em Astrofísica, em especial na formação das estrelas supernovas. Faleceu em São Paulo, em 10 de novembro de 1990.

07 jul 1848: Francisco de Paula Rodrigues Alves
Nascido em Guaratinguetá, SP, foi Presidente da República de 1902 a 1906. É considerado o presidente civil mais notável. Reconstruiu e embelezou o Rio de Janeiro. Reformou a Saúde Pública e foi durante o seu governo que a febre amarela foi erradicada do país. Seu competente Ministro do Exterior, Barão do Rio Branco (José Maria da Silva Paranhos), se notabilizou por sua eficiente diplomacia em questões de fronteiras com a Bolívia, Uruguai e Guianas Inglesa e Holandesa. Foi governador de São Paulo nos anos 1900-1902 e 1912-1916. Reelegeu-se presidente mas, antes da posse, faleceu no Rio de Janeiro, em 18 de janeiro de 1919.

11 jul 1836: Antonio Carlos Gomes
Compositor brasileiro, nascido em Campinas, SP. Recebeu apoio pessoal do imperador D. Pedro II para estudar música no Rio de Janeiro e, mais tarde, em Milão, onde recebeu o título de Maestro Compositor após apenas três anos de estudos. Suas obras mais importantes são: A Noite do Castelo, Salvador Rosa, Maria Tudor, O Guarani, Lo Schiavo e Condor. Faleceu em Belém, PA, em 16 de setembro de 1896.

11 jul 1924: Cesar Lattes
Físico nascido em Curitiba, PR. Com a idade de 23 anos, ele foi um dos fundadores do Centro Brasileiro de Pesquisas Física (CBPF), no Rio de Janeiro. Sua principal linha de pesquisa foram os raios cósmicos. Em suas experiências, descobriu o méson pi, ou píon, quando ainda tinha 24 anos. Com seu grupo, determinou a massa das denominadas bolas de fogo, um fenômeno espontâneo que ocorre durante colisões de altas-energias. Faleceu em Campinas, SP, em 8 de março de 2005.

16 jul 1925: Paulo Leal Ferreira
Físico nascido no Rio de Janeiro, RJ, co-fundador do Instituto de Física Teórica, da Sociedade Brasileira de Física e da Academia de Ciências do Estado de São Paulo. Suas pesquisas em Física foram direcionadas para tópicos fundamentais, com ênfase em Teoria Geral de Partículas e Campos (Equação de Dirac, potenciais confinantes, quark model, álgebras deformadas). Faleceu em São Paulo, SP, em 30 de dezembro de 2005.

18 jul 1853: Hendrik Antoon Lorentz
Físico holandês, nascido em Arnhem, conhecido pelos seus notáveis trabalhos nos campos da eletrodinâmica e mecânica clássicas. Abiscoitou o prêmio Nobel de Física em 1902, por sua teoria da radiação eletromagnética a qual, confirmada pelos trabalhos de Zeeman, deu origem à Teoria da Relatividade Especial de Einstein. Faleceu em Haarlen, em 4 de fevereiro de 1928.

28 jul 1904: Pavel Alekseyevich Cherenkov
Físico russo, nascido em Voronezh. Foi o primeiro a detectar a chamada radiação cerenkov, que é uma emanação eletromagnética emitida por uma partícula altamente energética ao passar por um meio transparente com velocidade maior do que a da luz naquele meio. Por esse trabalho, compartiu com Igor Y. Tamm e Ilya M. Frank o prêmio Nobel de Física de 1958. Faleceu em Moscou, em 6 de janeiro de 1990.

Almanaque - Edição 32 - Agosto de 2010

Humor


Tempos modernos



Passatempo: o problema dos cinco discos

Muitos e muitos anos atrás, em um país árabe, havia três príncipes que pretendiam a mão da princesa Dahizé, filha única do rei. O rei determinou que seria escolhido aquele que passasse pelo teste dos cinco discos.

Os pretendentes foram levados ao palácio e lhe apresentaram cinco discos rigorosamente iguais, exceto que três eram vermelhos e dois azuis. Em seguida os príncipes foram vendados de forma a não poderem perceber nem mesmo a claridade do ambiente.


Princesa Dahizé


Ao acaso foram tomados três dos cinco discos e colocados nas costas de cada pretendente.

— Cada um de vós tem preso às costas um disco cuja cor ignora! Sereis interrogado um a um. Aquele que descobrir a cor do disco que está em suas costas será declarado vencedor e receberá a mão da princesa. O primeiro a ser interrogado poderá ver o disco dos outros dois concorrentes; ao segundo será permitido ver o disco do último. E, este, terá de formular a sua resposta sem ver coisa alguma! Aquele que der a resposta deverá justificá-la por meio de um raciocínio rigoroso, para provar que sua escolha não foi ao acaso. Qual de vós deseja ser o primeiro?

— Quero ser o primeiro, disse o príncipe Camozan.
A venda foi retirada de seus olhos e ele pode ver a cor dos discos dos outros dois. Interrogado, em segredo, não foi feliz na resposta. Declarado vencido. retirou-se do salão.

— O jovem Camozam acaba de fracassar, disse o rei.
— Quero ser o segundo, disse o príncipe Benefir.
Retirada a venda dos seus olhos, pode ver a cor do disco do seu único competidor e, em segredo, deu sua resposta. Também errou e retirou-se do salão.
— O jovem Benefir acaba de fracassar, disse o rei.

O príncipe Aradin, último que restou, ainda com os olhos vendados declarou em voz alta a cor exata do seu disco.

Qual foi a explicação dada por Aradin?

Resposta na próxima edição.

Resposta da edição anterior:

Separe as 24 bolas em três conjuntos de 8 bolas cada. Coloque um conjunto num dos pratos da balança, outro no outro prato e separe o terceiro. Se um prato acusar menos peso do que outro, separe as 8 bolas correspondentes e esqueça todas as outras 16. Se a balança não acusar diferença de peso, então a bola mais leve estará entre as 8 que ficaram separadas. Desta forma, com a primeira pesada teremos determinado em qual conjunto de 8 bolas está a mais leve.

Tome essas 8 bolas e coloque três em cada prato e deixe as duas restantes separadas. Nessa segunda pesada a balança pode se equilibrar ou não. Se se equilibrar, a bola mais leve será uma das duas que ficaram separadas. Numa terceira pesada coloca-se cada uma das duas bolas que ficaram separadas num dos pratos e teremos identificado qual a mais leve.

Se os pratos não se equilibraram na segunda pesagem, tomamos o conjunto de três bolas do prato que acusou menos peso e colocamos uma bola em cada prato, separando a terceira. Se os pratos não se equlibrarem ficaremos sabendo qual a mais leve. Se se equilibrarem, a mais leve será a que foi separada.

Para pensar: Leis e fatos desconcertantes

Com a construção de instrumentos cada vez mais precisos e potentes, os pesquisadores passaram a se defrontar, com frequência, principalmente no estudo do microcosmo, com leis e fatos desconcertantes que contribuíram para desmontar a concepção mecanicista do Universo que imperava até pouco tempo.

Hoje, por exemplo, há uma noção científica assente de que, na análise dos fenômenos, o observador é visto como um participante cuja presença influencia o que está sendo observado. O mundo objetivo do tempo e do espaço cedeu terreno às determinações probabilísticas.

Racionalismo Cristão, 44a ed., p. 10. 2010

Melhore seu vocabulário em inglês

O texto a seguir foi composto com base nas 500 palavras mais usadas em inglês. Aproveite para rever seu vocabulário. Coloque o mouse sobre as palavras em vermelho para ver a tradução.

He laughs longest who laughs last

(Conclusão)

Ten days later Kendal was sitting in his own room at the bank when a policeman came in.

"Good morning, Mr. Kendal, sir," said the policeman. He had a big, red face, and Kendal often saw him in the town.
"Good morning," said Kendal. "There's a chair. What can I do for you?"
"I've come to talk to you about something, sir."
"And what is that? " asked Kendal.

The policeman gave him a one pound note. " Will you look at that, sir?" he asked.

Kendal put the note on his table and looked at it. Then he put it up to the light of the window and looked through it.

"This note's bad," he said.
"We thought so," said the policeman.
"Yes, it's bad. Where did you get it? Are there some more bad notes in the town?"
"Yes, I'll tell you about them," said the policeman. "Some shopkeepers brought us some notes like this. They were all bad. Have you seen any bad notes at the bank?"
"No. I don't know of any."
"That's a good thing. Someone in the town was buying things at the shops with bad money. We started to look for the man. It happened just lately. We never had any before."
"Have you caught the man?" asked Kendal.
"Yes."
"Who is he?"
"Alan Carroll," said the policeman.

Kendal thought hard, but his face showed nothing. " Was he making bad money?" he asked.

"We don't think so, but we don't know. We went to his house, but he wasn't making bad notes in his house."
"Where did he get them? Do you know?"
"No. We asked him, but he didn't tell us."
Kendal sat back in his chair. " What will happen to him now?" he said.
"Oh, we shall . . . er . . . take him away."
"Will he be . . . er . . . away a long time?"
"Yes, I think so," said the policeman. "We shall not see him in the town for some years. He may be away five years, or even longer. But I mustn't trouble you any more, sir." The policeman stood up. "You have a lot of work, sir, and I mustn't take your time. I've told you about the notes, and now you can look for them at the bank. Some of them may come to the bank."

Kendal went to the door with him. "What is the man's name?" he asked.

"Alan Brian Carroll."
"Oh, yes, I see. Alan Brian Carroll. A.B.C." Kendal laughed.
"Yes," said the policeman. "A.B.C. I've laughed too. I didn't think of that. A.B.C.!" He laughed again and walked away.

Kendal went back to his chair.

He sat down and laughed. "Five years or even longer," he thought. "I did very well when I kept some of my father's bad old notes and gave them to A. B. C."

As 1001 noites - Mais aventuras de Simbad, o marujo

"Depois de minha primeira viagem, eu tinha decidido passar o resto de meus anos tranqüilamente em Bagdá, mas um dia comecei a me aborrecer com aquela vida monótona e de novo tive vontade de navegar. Comprei mercadorias para vender ou trocar e parti com outros mercadores. Embarcamos num bom navio, pedimos a proteção de Deus e soltamos as velas.

Fomos de ilha em ilha, fazendo negócios muito vantajosos. Um dia paramos numa pequena ilha. Enquanto meus companheiros colhiam flores e frutas, sentei-me perto de um riacho, tomei a minha refeição e depois adormeci. Quando acordei, vi que nosso navio tinha partido, deixando-me sozinho naquele lugar desconhecido! Achei que ia morrer de dor e desespero, arrependendo-me amargamente de não ter me contentado com minha primeira viagem. Finalmente, aceitei, conformado, a vontade de Deus e subi numa grande árvore para ver se avistava alguma coisa que pudesse me trazer esperança de salvação.

Lançando a vista ao mar, meus olhos só viram água e céu. Mas de repente enxerguei uma coisa branca em terra e decidi ir até ela. Desci da árvore e caminhei em direção àquilo. Ao chegar a certa distância, pude observar que se tratava de um globo cuja altura e diâmetro eram espantosos. Procurei uma abertura para poder entrar ali, mas não havia nenhuma. Pensei em subir naquele globo, mas era liso demais.

O sol já ia se pondo no horizonte, quando de repente escureceu de uma vez, como se uma nuvem gigantesca cobrisse sua luz. Fiquei mais espantado ainda quando descobri a causa daquela escuridão repentina: um pássaro enorme, que voava na minha direção! Lembrei que os marinheiros costumavam falar de uma ave assim, chamada rukh. Então compreendi que o globo branco era o ovo daquele pássaro.

O rukh pousou sobre o ovo, para chocá-lo. Eu, que estava bem perto, vi que sua pata era do tamanho de uma árvore. Tive então uma idéia para escapar daquela ilha: amarrei meu turbante numa das patas do pássaro na esperança de sair dali quando ele levantasse vôo. Passei toda a noite assim. Quando raiou o dia, o rukh voou levando-me com ele.

Subimos tão alto que eu não podia enxergar mais a terra. De repente, o pássaro desceu com a maior rapidez e pousou. Em terra, desprendi meu turbante de sua pata. Mal tinha acabado de soltar-me, quando o pássaro bicou uma serpente incrivelmente comprida e voou levando-a no bico.

Para ler o texto completo, clique AQUI.

Regrinhas simples para bem escrever

Clique AQUI para baixar um arquivo DOC com regrinhas simples para evitar cometer erros comuns.

Efemérides

03/04 ago 1805: William Rowan Hamilton
Físico e matemático irlandês, nascido à meia-noite em Dublin. No final de sua vida adotou a data de 4 de agosto para seu aniversário. Recebeu o título de Sir em 1835, ano em que foi publicado seu trabalho On a General Method in Dynamics. Nesse mesmo ano, descobriu os quaternions, um marco no desenvolvimento da Álgebra. Sua obra The Elements of Quaternions foi publicada um ano após seu falecimento. Faleceu em Dublin, em 2 de setembro de 1865.

05 ago 1802: Niels Henrik Abel
Matemático norueguês, nascido em Nedstrand. Contribuiu para o desenvolvimento de vários ramos da matemática moderna. Foi ele quem provou ser impossível resolver algebricamente a equação geral de quinto grau. Os grupos comutativos também são chamados abelianos em sua homenagem. Faleceu em Froland, em 6 de abril de 1829.

05 ago 1827: Manuel Deodoro da Fonseca
Alagoano, liderou o golpe de estado que derrubou o imperador D. Pedro II. Foi o primeiro presidente do Brasil. Faleceu no Rio de Janeiro, em 23 de agosto de 1892.

08 ago 1901: Ernest Orlando Lawrence
Físico norte-americano nascido em Canton, South Dakota, EUA. Abiscoitou o prêmio Nobel de Física de 1939 pela sua invenção do ciclotron, o primeiro acelerador de partículas a atingir altas energias. Faleceu em Palo Alto, EUA, em 27 de agosto de 1958.

08 ago 1902: Paul Adrien Maurice Dirac
Físico inglês nascido em Bristol. Desenvolveu uma teoria que prediz o spin do elétron e a existência do pósitron. Foi co-inventor da estatística de Fermi-Dirac. Juntamente com Erwin Schroedinger, ganhou o prêmio Nobel de Física em 1933. Faleceu em Tallahassee, EUA, em 20 de outubro de 1984.

10 ago 1823: Antonio Gonçalves Dias
Poeta brasileiro nascido em Barra Mansa, RJ. Entre suas obras destacam-se I-Juca-Pirama e Canção do exílio. Ambas estão disponíveis na Biblioteca deste site. Faleceu a bordo de um navio, que naufragou nas costas do Maranhão, em 10 de setembro de 1864. O poeta foi a única vítima, aos 41 anos de idade, porque não teve forças para sair do camarote.

10 ago 1912: Jorge Amado
Escritor brasileiro nascido em Itabuna, BA. Entre suas obras, destacam-se Terras do sem fim e Gabriela, cravo e canela. Esta última está disponível na Biblioteca deste site. É o escritor brasileiro mais popular do século passado e sua obra tem alcance internacional, estando traduzida para quase todos os idiomas. Faleceu em Salvador, BA, em 06 de agosto de 2001.

12 ago 1887: Erwin Schroedinger
Físico austríaco nascido em Viena. Contribuiu para o desenvolvimento da Mecânica Quântica descobrindo sua equação básica. Repartiu com Dirac o prêmio Nobel de Física de 1933. Faleceu em Viena, em 4 de janeiro de 1961.

20 ago 1601 (dia do batismo): Pierre de Fermat
Matemático francês nascido em Beaumont-de-Lomagne. Não se conhece o dia exato do seu nascimento. Jurista e dedicou-se muito à Matemática. Durante um século não teve quem sequer o igualasse na teoria moderna dos números. Descobriu a Geometria Analítica independentemente de Descartes. Descobriu, também, o "Princípio de Fermat de tempo mínimo", os "Números de Fermat" e vários teoremas. Faleceu em Castres, em 12 de janeiro de 1665.

21 ago 1789: Augustin-Louis Cauchy
Matemático francês nascido em Paris. Foi um dos matemáticos modernos mais brilhantes. Suas maiores contribuições encontram-se incorporadas principalmente em três trabalhos: Cours d'analyse de l'École Royale Polytechnique (1821); Résumé des leçons sur le calcul infinitésimal (1823); Leçons sur les applications du calcul infinitésimal à la géométrie (1826-28). Faleceu em Sceaux, em 23 de maio de 1857.

26 ago 1743: Antoine-Laurent de Lavoisier
Químico francês nascido em Paris. É sua a famosa frase: "Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma". Formou-se em Direito, mas sua vocação sempre foi voltada às ciências. Criador da Química Moderna. Identificou o oxigênio e mostrou que a água é formada por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio: H2O. Faleceu em Paris, em 8 de maio de 1794.

30 ago 1871: Ernest Rutherford
Físico da Nova Zelândia nascido em Spring Grove. Sua liderança inspirou duas gerações de físicos. Sua influência sobre o pensamento científico pode ser comparada às de Faraday e Newton. Recebeu o prêmio Nobel de Química em 1908. Faleceu em Cambridge, em 19 de outubro de 1937.

31 ago 1821: Herman L. F. von Helmholtz
Cientista alemão nascido em Potsdam. Dedicou-se, com brilhantismo, à Fisiologia, Óptica, Eletrodinâmica, Matemática e Meteorologia. Sua preocupação com a percepção sensorial está manifesta em seus dois trabalhos maiores: On the Sensations of Tone as a Physiological Basis for the Theory of Music (traduzido ao inglês em 1875); e, Handbook of Physiological Optics (1867). No Sensations, há uma curiosa nota de rodapé onde Helmholtz associa cores a cada uma das notas musicais. Faleceu em Berlim, em 8 de setembro de 1894.

Almanaque - Edição 33 - Setembro de 2010

Humor

Tratamento psiquiátrico

Dois amigos se encontram. Após trocar um abraço, um deles pergunta:

— Como está sua mulher? Ela andava perturbada psiquicamente.
— Está ótima. Fez um tratamento psiquiátrico e está completamente curada. Já atende o telefone, mesmo que não esteja tocando.

Passatempo: A divisão da partida de vinhos

Três pessoas receberam, em pagamento por um serviço feito, uma partida de vinho composta de 21 barris iguais: 7 cheios, 7 meio cheios e 7 vazios. Querem dividir os 21 barris de sorte que cada um deles receba o mesmo número de barris e a mesma porção de vinho. Como fazer a partilha?


Resposta na próxima edição.

Resposta da edição anterior:

Aradin respondeu: "O meu disco é vermelho!" Para chegar a essa conclusão fez o seguinte raciocínio:

O primeiro pretendente, Camozan, antes de responder pode ver os discos que tinham sido colocados em Benefir e em mim. Viu esses dois discos e errou.
— E errou por que?
— Porque ficou em dúvida. Ora, se ele tivesse visto dois discos azuis não teria errado. Diria, sem hesitar, ao dervixe: "Vejo, em meus competidores, dois discos azuis, logo o meu é vermelho." (Pois não há mais discos azuis!)
E, com essa resposta precisa e certa, teria vencido o concurso.
Qual foi a situação de dúvida de Camozan?
Ou ele viu dois discos vermelhos ou viu um disco azul e outro vermelho. Temos, assim:
• 1. viu dois discos vermelhos;
• 2. viu um disco azul e outro vermelho.
Admitida a primeira hipótese (dois discos vermelhos), o meu disco é vermelho. Sobre isso não há a menor dúvida.
Vamos admitir a segunda hipótese: Camozan viu um disco azul e outro vermelho. Com quem estaria o outro disco azul? Só poderia estar com Benefir, o segundo pretendente.
Se o disco azul estivesse comigo Benefir não teria errado.
Com efeito. Ao ver nas minhas costas o disco azul Benefir (que foi o segundo a responder) teria raciocinado do seguinte modo:
Vejo no terceiro competidor um disco azul. Se o meu tanbém fosse azul o primeiro teria visto dois discos azuis e não teria errado. Se o primeiro errou, o meu disco é forçosamente vermelho.
E com esta resposta, precisa e certa, teria vencido o concurso.
Mas o segundo príncipe também errou.
Conclusão: O meu disco é vermelho, pois se fosse azul o erro do primeiro teria conduzido o segundo pretendente à solução certa do enigma.

 

Para pensar: Força e Matéria

A Matéria é campo de manifestação da Força. A análise de informações obtidas por pessoas dotadas de alta percepção sensorial, mais conhecida por mediunidade, indica que existem várias categorias de matéria, com estados variados de densidade. Essas categorias caracterizam campos de energia, com funções específicas relacionadas ao processo evolutivo. Os tipos de matéria mais diáfanos do que o da matéria física recebem a denominação de matéria fluídica.

As densidades, aqui mencionadas, se referem a graus de sutileza que definem, entre os campos, condições mais distintivas do que as que existem entre os conhecidos estados sólido, líquido e gasoso da matéria física.

Melhore seu vocabulário em inglês

O texto a seguir foi composto com base nas 500 palavras mais usadas em inglês. Aproveite para rever seu vocabulário. Coloque o mouse sobre as palavras em vermelho para ver a tradução.

Two coats

The ship was at the end of its long journey, and the people were looking over the side. They were waiting to get off.

A very rich woman in the ship was talking to a man near her. She had two big coats. She put on one of them because it was a cold day. She carried the other coat over her arm.

"If you take two coats like those into the country," said the man, " you'll have to pay a lot of money. How much did you give for that coat over your arm?"

"Only three hundred pounds," she said.
"Three hundred! You'll have to pay about a hundred pounds when you take that into England. They always let anyone take one coat like that. But not two! No. You may sell the other if you have two."

The rich woman walked away to the other side of the ship. There she saw a woman whom she knew. She took her to a quiet part of the ship. No one else could hear her when she spoke.

"Will you do something for me?" asked the rich woman quietly. "I have two big coats, as you can see. But I mustn't take two into England. Everyone may take one, and you haven't got a coat like this, have you?"
"No," said the other. She was not a rich woman.
"Good. Will you put this coat on? Then it will look like your coat. They'll let you take it into England. You'll not have to pay anything, because you haven't another. Will you do that for me?"

The other woman put the coat on. She liked it. It was very beautiful. She never had a coat like it in her life.

"Remember!" said the rich woman. "Don't tell anyone about the coat. Don't say anything about our talk and don't look at me. Just get off the ship and take the coat with you. Then, when we're in the train, you can give it back to me."

The two women got off the ship and showed their things to the men who were opening bags and looking inside. The men let each woman take one coat. There was no trouble.

When everyone was in the train, it started on its way to London. The rich woman found the other and said, "Thank you very much. You've been very kind. Now you can give me back my coat." "Your coat?" cried the other. " What are you talking about? This is my coat, and I'm not going to give it to you or to anyone else."

What could the rich woman do?

As 1001 noites

Um cádi astuto

Certa vez no Cairo um cádi que cometeu tantas prevaricações e pronunciou tantos julgamentos iníquos que foi demitido de seu alto ofício e teve que viver dos recursos de sua engenhosidade.

Um dia, quando sua cabeça estava tão vazia quanto seu bolso e seu bolso tão vazio quanto seu estômago, chamou o único escravo que lhe restava e disse-lhe:

— Estou adoentado hoje e não posso sair de casa. Para nos sustentar, deves ou percorrer as ruas à procura de algum biscate ou enviar-me algum infeliz que precise de um parecer jurídico.

O escravo saiu com a intenção de molestar algum transeunte e arrastá-lo até o juiz para ser multado. Assim, mal cruzou com um cidadão pacífico carregando um cesto no ombro, tropeçou nele e enviou-o ao chão. A vítima levantou-se furiosa e avançou para castigar o agressor. Mas quando reconheceu nele o escravo do cádi, virou as costas e fugiu de encontro tão perigoso. "Todos me conhecem como conhecem meu amo," resmungou o escravo desanimado. "Devo achar outros meios."

Na primeira esquina, cruzou com um homem levando uma bandeja com um magnífico peru, recheado e guarnecido com tomates e diversas frutas. Seguiu-o e viu-o entrar numa cozinha pública e entregar a ave ao mestre do forno, dizendo que voltaria para apanhá-la uma hora mais tarde. "Esta é a minha oportunidade," decidiu o escravo. Menos de uma hora depois, entrou na cozinha pública, dizendo:
— Salve Mustafá! O mestre do forno reconheceu-o e respondeu:
— Salve Mobarak! Há muito tempo que meus carvões nada assam para teu amo. Trouxeste algo hoje?
— Nada, exceto o peru.
— Mas este não te pertence, meu irmão.
— Não fales assim, ó xeque. Eu vi esse peru sair do ovo materno, alimentei-o, matei-o, recheei-o e o enviei a ti.
— Se for assim, estou pronto a to entregar, disse o cozinheiro. Mas que direi ao homem que o trouxe?
— Acho que ele não voltará, replicou Mobarak num tom evasivo. Mas se voltar, ele deve gostar de uma boa piada. Poderás dizer-lhe que tão logo o peru foi colocado no fogo, deu um grito agudo e voou. Agora, dá-me logo aquela ave, por favor. Acho que já está bem assada.

Para ler o texto completo, clique AQUI.

Regrinhas simples para bem escrever

Clique AQUI para baixar um arquivo DOC com regrinhas simples para evitar cometer erros comuns.

Efemérides

17 set 1826: Georg Friedrich Bernhard Riemann
Matemático alemão nascido em Hannover. Foi um dos matemáticos mais criativos do século 19. Suas ideias relativas à geometria do espaço tiveram profunda influência no desenvolvimento da física teórica moderna e proporcionou os fundamentos para os conceitos e métodos usados posteriormente na teoria da relatividade. Faleceu em Selasca, Itália, em 20 de julho de 1866.

20 set 1900: Humberto de Alencar Castelo Branco
Nascido em Fortaleza. Foi presidente (militar) do Brasil de 15 de abril de 1964 a 15 de março de 1967. Faleceu em Fortaleza, em 18 de julho de 1967.

22 set 1791: Michael Faraday
Físico e químico inglês, nascido em Newington, foi um dos maiores cientistas experimentais de todos os tempos. Descobriu o princípio do motor elétrico e construiu um; descobriu o fenômeno da indução eletro-magnética. Foi o primeiro a liquifazer o cloro. Fabricou o primeiro dínamo, estabeleceu as leis da eletrólise, descobriu que um campo magnético gira o plano de polarização da luz, etc. Faleceu em Hampton Court, Inglaterra, em 25 de agosto de 1867.

29 set 1901: Enrico Fermi
Físico italiano nascido em Roma. Foi um dos cientistas que inauguraram a chamada era nuclear. Ganhou o prêmio Nobel de Física de 1938 pelo seu descobrimento das reações nucleares induzidas por nêutrons. Conseguiu realizar a primeira fissão nuclear controlada em Chicago e trabalhou no projeto da bomba atômica em Los Alamos. Desenvolveu a matemática estatística necessária para esclarecer vários fenômenos subatômicos (estatística de Fermi-Dirac). Faleceu em Chicago, em 28 de novembro de 1954.

30 set 1870: Jean Baptiste Perrin
Físico francês nascido em Lille. Estudou o movimento browniano e confirmou a natureza atômica da matéria. Por esse trabalho, ganhou o prêmio Nobel de Física de 1926. Foi capaz de estimar o tamanho dos átomos e moléculas assim como sua quantidade em um dado volume. Faleceu em New York, em 17 de abril de 1942.

Almanaque - Edição 34 - Outubro de 2010

Humor

— Garçom, por favor, vou querer um prato de erros de português.
— Hein? Nós não temos isso aqui, não senhor.
— Então, por que colocaram no cardápio?



Um amigo para outro num restaurante, após comerem.
— Xi, rapaz... Esqueci a carteira em casa. Daria para você me emprestar dinheiro?
— Tome! — diz o outro estendendo uma nota de R$10,00.
— Só isso? O que vou fazer com dez reais?
— Pegar o ônibus para buscar a carteira, ora!

Passatempo: Quadrados mágicos

Um quadrado de nove casas (3X3) com os números de 1 a 9, como o abaixo, é dito mágico porque a soma dos números em qualquer linha e em qualquer coluna tem o mesmo valor 15. Se somarmos também os números das duas diagonais, teremos novamente o valor 15. Esse valor é chamado constante do quadrado ou número planetário.



Construir um quadrado mágico de 16 casas (4X4) com os números de 1 a 16. Adiantamos que o número planetário é 34 e que há cerca de 800 deles. Portanto, não deve ser difícil encontrar pelo menos um, não é mesmo?

Resposta na próxima edição.

Resposta da edição anterior:

A figura mostra como deve ser feita a distribuição dos barris.

 

Para pensar:

No Universo há somente transformações da Matéria e evolução da Força. As inumeráveis estruturas compostas em combinações múltiplas de partículas da matéria organizada nada mais exprimem do que essas transformações. Composição e decomposição, agregação e desagregação de estruturas são o resultado da ação mecânica da vida. Racionalismo Cristão, 44ª edição, 2010.

Melhore seu vocabulário em inglês

O texto a seguir foi composto com base nas 500 palavras mais usadas em inglês. Aproveite para rever seu vocabulário. Coloque o mouse sobre as palavras em vermelho para ver a tradução.


Money for water

A rich woman had a small dog. His name was Sammy. She always gave him a lot of food to eat. She never took him for long walks, because she did not like long walks herself. The dog grew fatter and fatter, and one day he was ill. He could not eat anything at all.

"She was afraid. Sammy's going to die," she thought.

She went to the telephone and telephoned to a friend. She told him about Sammy.

"Take the dog to Doctor Faber," he said. "He knows all about animals."

She put Sammy into her car and went to Faber's house. When Faber came into the room to see her, she told him about her dog. Sammy sat quietly on the floor of the room. He looked up at them with sad eyes.

"He doesn't want to eat anything," said the woman. "Can you make him eat? Can you? Can you? I'm afraid. Is he going to die?"
Faber looked down at the fat dog.

"He looks very ill," he said. "Very bad ! He's very ill, but I'll try to make him better."

"Oh, please do your best," she said. She began to cry quietly.
"I'll try," he said. "You must leave him here with me for three days. Come back in three days. Sammy will be better then, or dead."
"Not dead!" she cried. "Poor, poor little Sammy!"

Faber took her to the door and she went away. Then he went back to the house and called a man.

"Put that fat dog into a small room," he said, "and give him some cold water."
"Shall I give him some food, sir?"
"No. He has had too much food. Give him some clean, cold water, and then leave him alone."

Faber went back to his work and thought no more of the dog. Every day the man gave Sammy some nice, cold water, but no food. In three days, Sammy was not as fat as before.

The woman came at the right time and waited unhappily until Faber came in.
"Oh, Doctor Faber," she said, "how is Sammy?"
"Sammy? Sammy?" Faber put his hand over his eyes, and then he remembered the fat dog.
"Oh, Sammy! Yes, yes. Dear Sammy! I've had a lot of trouble with poor Sammy, but now he's a little better than he was."
"Oh, I'm very glad," she said.

Faber walked to the door. "Bring Sammy here," he called.

The dog was soon brought into the room, and the woman was afraid when she saw him. He looked very small.

"Will he eat now?" she asked.
"We can try," said Faber. "He may be able to eat a little food." He turned to the man, who was waiting by the door.
"Bring a piece of bread," he said.
"Oh," said the woman," Sammy never eats bread. He'll never eat bread!"
"Let us try," said Faber quietly.

The man brought a piece of bread and gave it to the dog. Sammy was ready to eat anything, and he ate the bread as fast as he could. When he finished, he looked up for more.

"Oh!" cried the woman. "He's eating bread! He has never done that before in his life. Eating bread!! Thank you, Doctor Faber, thank you! How did you make him better? "
"It was hard," said Faber. "The poor dog was very ill, but he'll eat now."

The woman opened her bag. "How much?" she began.

"Oh," said Faber," only five pounds."
"Only five pounds! That's very little. You've saved Sammy's life! I must pay more than that."
"No," he said, " I'll take no more than five pounds."

The woman put some notes into his hand and took Sammy to the door.

"Thank you again," she said. "You've been very good."

Faber looked at the notes in his hand. "If Sammy's ever ill again," he said, "bring him back to me."
"I will," she said; and the car started.

He looked at the money again. "All this money for cold water," he thought, and laughed.

As 1001 noites

O cego que se fazia esbofetear

Baba-Abdala dirigindo-se ao Califa disse: desde a minha infância, ó Comandante dos fiéis, fui condutor de camelos. Graças à minha perseverança, comprei oitenta camelos que alugava para negócios ou peregrinação, aumentando constantemente meu capital. Só tinha um sonho: tornar-me o homem mais rico de minha profissão em todo Iraque. Um dia, voltando com meus animais de Basra após despachar mercadorias destinadas à Índia, parei perto de um poço para permitir a meus camelos refrescarem-se e pastarem. Enquanto estava lá, vi um dervixe aproximar-se de mim. Cumprimentamo-nos e convidei-o a partilhar comigo o pão e a água, conforme as tradições do deserto. Ficamos a conversar e falei-lhe de meu sonho. Após ouvir-me sem me interromper, disse:
— Ó Baba-Abdala, trabalhas e labutas visando a um resultado modesto, quando o destino pode num piscar dos olhos tornar-te não somente mais rico que todos os condutores de camelos do Iraque, como o homem mais rico do planeta. Nunca ouviste falar dos tesouros escondidos embaixo do solo?

Respondi que estava a par dessas coisas e sabia que certos dervixes possuíam segredos que podiam fazer do mais pobre o homem mais rico. O dervixe parou de mexer com a areia e disse: — Ó Baba-Abdala, ao me encontrar hoje, encontraste o próprio destino. Se for assim, estou pronto a aceitar-lhe as dádivas com um coração reconhecido. Então, levanta-te e segue-me.

Levantei-me e andei atrás dele através de vales e planícies até que chegamos ao sopé de uma montanha íngreme.
— Este é o lugar, disse o dervixe, parando diante de um grande rochedo.

Acendeu um pequeno fogo, jogou nele incenso, pronunciou palavras que não entendi. E logo, uma coluna de fumaça se elevou no ar e o rochedo abriu-se ao meio, dando passagem a uma caverna. Entramos e achamo-nos numa grande sala repleta de montões de moedas de ouro e de jóias. Seguindo o conselho do dervixe, desprezei as moedas de ouro, que dariam uma carga muito pesada, enchi os sacos com jóias, mais leves e mais preciosas, lamentando apenas possuir oitenta camelos em vez de oito mil. O dervixe apanhou um pequeno vaso de ouro que continha, ao que me disse, uma pomada para os olhos. Saímos da gruta, e outras palavras incompreensíveis fizeram a rocha fechar-se e retomar seu aspecto normal.

Para ler o texto completo, clique AQUI.

Regrinhas simples para bem escrever

Clique AQUI para baixar um arquivo DOC com regrinhas simples para evitar cometer erros comuns.

Efemérides

07 out 1885: Niels Henrik David Bohr
Físico dinamarquês nascido em Copenhagen. Enquanto trabalhava com Rutherford, em Manchester, criou em 1913 o modelo do átomo de hidrogênio que leva o seu nome. De acordo com esse modelo, o átomo de hidrogênio era formado por um elétron girando, com energia quantizada, em torno de um próton central, numa órbita circular. Em 1922 recebeu o prêmio Nobel de Física em reconhecimento por suas contribuições à Física Atômica. Em 1927, Bohr propôs o princípio da complementaridade para explicar os paradoxos aparentes que surgiam no comportamento onda-partícula das partículas subatômicas. Em 1943 conseguiu fugir de Copenhagen indo à Inglaterra. Mais tarde foi aos Estados Unidos da América, onde colaborou no desenvolvimento da bomba atômica, mas esteve sempre profundamente preocupado com as implicações decorrentes desse desenvolvimento. Faleceu em Copenhagen, em 18 de novembro de 1962.

09 out 1893: Mario de Andrade
Escritor nascido em São Paulo. Desempenhou papel importante no Movimento Modernista de 1922. Talvez sua obra mais famosa seja Macunaíma (1928). Faleceu em São Paulo, em 25 de fevereiro de 1945.

19 out 1913: Vinicius de Moraes
Poeta, músico e dramaturgo nascido no Rio de Janeiro. Entre suas obras, destacam-se "Samba de Orly" e "Garota de Ipanema", em parceria com Antônio Carlos Jobim. Faleceu no Rio de Janeiro, em 9 de julho de 1980.

23 out 1908: Ilya Mikhaylovich Frank
Físico russo nascido em Leningrado, hoje S. Petersburgo. Juntamente com Pavel A. Cherenkov e Igor Y. Tamm, ganhou o prêmio Nobel de Física de 1958 pela explicação teórica do efeito Cerenkov. Faleceu em Moscou, em 22 de junho de 1990.

25 out 1811: Évariste Galois
Matemático francês nascido em Paris. Tornou-se famoso pelas suas importantes contribuições à teoria dos grupos. Em praticamente uma noite (véspera do estúpido duelo que ceifou sua curtíssima vida), botou no papel sua famosa teoria que resolveu muitos problemas que permaneceram insolúveis por muito tempo. Faleceu em Paris, em 31 de maio de 1832.

26 out 1869: Washington Luís Pereira de Sousa
Nascido em Macaé, RJ, foi presidente da República de 1927 a 1930, quando foi deposto por um golpe de estado militar liderado por Getúlio Vargas. Foi o último presidente de Velha República. Faleceu em São Paulo, em 4 de agosto de 1947, um ano após o seu retorno do exílio, que durou 16 anos.

27 out 1892: Graciliano Ramos
Escritor nascido em Quebrangulo, AL. Autor de vários romances entre os quais Caetés (1933), Vidas secas (1938) e Memórias do cárcere (1953). Estes dois últimos foram adaptados para o cinema. Faleceu no Rio de Janeiro, em 20 de março de 1953.

31 out 1815: Karl Theodor Wilhelm Weierstrass
Matemático alemão nascido em Ostenfelde, considerado um dos fundadores da teoria moderna das funções. Sua preocupação com o rigor matemático pode ser ilustrado pela sua construção de uma função contínua que não tem derivada em nenhum ponto. Muitos de seus estudantes tornaram-se matemáticos criativos,como Sofia Kovalevskaya. Faleceu em Berlim, em 19 de fevereiro de 1897.

Almanaque - Edição 35 - Novembro de 2010

Humor

Um casal de velhinhos foi visitar outro casal. Enquanto na cozinha as mulheres preparavam alguma coisa para comer, os homens conversavam na sala.
— Ontem fomos jantar num restaurante da cidade. Ficamos impressionados com a qualidade da comida, com o atendimento e com o ambiente. Uma maravilha!
— É mesmo? Como se chama o restaurante?
— Como se chama? Como se chama? Qual é mesmo nome de uma flor muito comum?
— Margarida?
— Não, não. Ela é cantada em algumas canções infantis.
— Cravo?
— Também não. Tem um perfume muito suave e embeleza buquês de flores.
— Rosa?
— É isso mesmo! E olhando para a cozinha, perguntou: Rosa, como é mesmo o nome daquele restaurante em que estivemos ontem?

Passatempo

Nas eleições em uma pequena cidade, onde 5.219 eleitores votaram para escolher o prefeito, verificou-se que o vitoriosos venceu seus concorrentes por 22, 30 e 73 votos. Descobrir quantos votos cada um deles recebeu.

Resposta na próxima edição.

Resposta da edição anterior:



Este quadrado mágico é chamado de diabólico. Note que além de as linhas e colunas somarem 34, também as diagonais somam o mesmo valor. Ainda mais: os números das extremidades também somam 34. Mais ainda: os números da quatro casas centrais também somam 34!

Na gravura "Melancolia" do pintor alemão Albrecht Durer, pode-se ver no canto superior direito esse quadrado mágico. Note que na linha inferior do quadrado há duas casas contíguas com os números 15 e 14, formando 1514, ano em que a gravura foi concluída!

Para pensar

Na sequência da evolução espiritual, cada indivíduo bem-intencionado procura despojar-se dos defeitos que vai notando em sua própria personalidade, mas conserva os que lhe escapam. Esse procedimento, assim mesmo, varia de pessoa para pessoa. Umas, enquanto procuram dar combate à vaidade, esquecem-se da avareza; outras, esforçando-se por dominar a inveja, deixamse levar pela luxúria, e assim por diante.

Melhore seu vocabulário em inglês

O texto a seguir foi composto com base apenas nas 500 palavras mais usadas em inglês. Aproveite para rever ou construir seu vocabulário. Algumas palavras e expressões têm sua tradução ao longo do texto. No corpo do texto, coloque o mouse sobre a palavra ou expressão em vermelho para ver a tradução.

In a hot country

Carver could not sleep very well on hot nights, and the nights were very hot just now.

He lived in a house near a big building. Men worked in the building all night. Carver never understood their work. They moved big boxes from one place to another. They left all the windows open because it was hot. They never spoke quietly. They always made a lot of noise.

Carver often went to the police to ask them to stop the noise in the building. The police did their best, but they could never find the owner of the place. He was never there when the police went in. So the noise never stopped, and no one near the building could sleep very well.

One night Carver was very tired. He was hot too. He turned over and over, but he could not sleep because of the noise. At last he got out of bed and dressed himself. He went out of the house and walked into the noisy building.
— Must you make all this noise? – he said to a man who was calling out.

The man did not hear Carver, but called again,

— Kelly! Kelly! Kelly! Where are you? Come here.

No answer.

— Kelly!
— Be quiet, – cried Carver angrily.

Near him a big box fell on a man's foot and a fight began. No one heard a word that Carver said.

— I can do nothing here, – he thought.

He left the building and walked to the police station. There he found his friend, Moon. Moon was sitting at a table and he was writing. Through an open door Carver could see three policemen. They were sitting on doing nothing.

Moon looked up.

— You again! – he said.
— Yes, said Carver. Here I am again. Those men in the building near my house are making a lot of noise. I can't sleep. Who's the owner of that place? Have you found him?

— No, said Moon. He's never in the building when we go there. But I'll go with you again. We'll try to do something.

He stood up and called through the door to the policemen.

— You three men, – he called –, come with me.

He turned to Carver.

— And you come too, – he said.

(continua na próxima edição)

As 1001 noites

O corcunda, o alfaiate, o corretor cristão, o intendente e o médico judeu

Conta-se, ó rei afortunado, que vivia na antiguidade, no fundo das idades e dos séculos, numa cidade da China, um alfaiate próspero e de gênio alegre que gostava de divertimentos e passeava de vez cm quando com a mulher nos jardins e nas ruas.

Certo dia, quando estavam voltando para casa após um desses passeios, cruzaram com um corcunda de aparência tão engraçada que nem a tristeza nem a melancolia podiam viver um instante na sua presença, e o homem sisudo ria gostosamente à sua vista.

Para distrair-se com sujeito tão jocoso, o alfaiate e sua mulher convidaram-no para sua casa. O corcunda aceitou. Enquanto estavam jantando, a mulher do alfaiate, querendo brincar, pegou uma posta de peixe inteira e enfiou-a na boca do corcunda; e, pondo a mão nos lábios do infeliz, obrigou-o a engoli-la. Por inclemência do destino, havia dentro da posta uma espinha enorme que atravessou a garganta do corcunda, e ele morreu na hora.

Quando o alfaiate viu o corcunda morto, exclamou:

— Não há poder e força senão em Alá! Que azar que este homem tenha morrido cm nossa casa!
— De que adianta lamentar-se! censurou a mulher. Levanta-te e ajuda-me a carregar o corpo para fora. Cubramo-lo com um pano de seda e levemo-lo agora mesmo na escuridão da noite. Andarei na frente. Tu, atrás, repetirás numa voz audível: "Este é meu filho. E esta é sua mãe. Estamos procurando um médico. Onde encontrar um médico de noite?"

Executaram imediatamente seu plano e repetiram tantas vezes: "Onde encontrar um médico? Queremos um médico" que os transeuntes indicaram-lhes a porta de um médico judeu. Chamaram de fora e foram atendidos por uma enfermeira negra. Perguntaram:

— Onde está o médico?
— Está no segundo andar preparando um relatório, respondeu a enfermeira.
— Queremos que ele examine logo nosso filho. Dá-lhe este dinar adiantado e pede-lhe que desça.

Assim que a enfermeira se afastou, deixando a porta aberta, o homem e a mulher entraram, largaram o corpo numa poltrona e fugiram. Ao ver o dinar, o médico judeu ficou tão satisfeito que esqueceu de apanhar uma lâmpada e desceu a escada precipitadamente no escuro. Seu pé tropeçou, e ele caiu sobre o corcunda. Examinou-o e, achando-o sem vida, pensou que ele próprio o tinha matado. Gritou:

— Jeová! Jeová! Pelas dez palavras sagradas, como poderei livrar-me deste corpo?

Para ler o texto completo, clique AQUI.

Efemérides

05 nov 1849: Rui Barbosa
Jurista brasileiro, também conhecido como a "Águia de Haia", nascido em Salvador. Foi, também, diplomata, filólogo, escritor, político e orador. Membro fundador da Academia Brasileira de Letras, da qual foi presidente de 1908 a 1919. Talvez sua obra mais conhecida seja o discurso Oração aos moços, preparado para a turma de 1920 na Faculdade de Direito de São Paulo. Não pôde proferi-lo pessoalmente por razões de saúde. Faleceu em Petrópolis, em 01 de março de 1923.

07 nov 1867: Marie Curie (Marja Sklodowska)
Física francesa, nascida em Varsóvia (Polônia). Seu nome de solteira era Marja Sklodowska. Juntamente com seu marido, Pierre Curie, foi uma das pioneiras na pesquisa da radioatividade. Descobriu os elementos radiativos polônio e rádio. Por isso, os Curie compartilharam o prêmio Nobel de Física com A. H. Becquerel. Após a morte de seu marido, Marie Curie continuou a pesquisar as propriedades químicas e aplicações médicas do rádio. Foi agraciada com o prêmio Nobel de Química em 1911. Faleceu em Sallanches, em 4 de julho de 1934, vítima de leucemia, indubitavelmente causada pela radioatividade dos materiais com que trabalhou intensamente. Seu marido Pierre e cunhado Jacques descobriram o efeito piezoelétrico. Sua filha mais velha, Irène Joliot-Curie também foi uma física notável.

07 nov 1878: Lise Meitner
Física austríaca, nascida em Viena. Bombardeando urânio com nêutrons, ela e seu sobrinho Otto Robert Frisch interpretaram corretamente os resultados obtidos como evidências de fissão nuclear e previram as reações nucleares em cadeia. Ela faleceu em Cambridge, em 27 de outubro de 1968.

19 nov 1892: Antonio Cottas
Português nascido em Sirvuzelo – Monte Alegre. Imigrou para o Brasil em 1905 e logo se revelou homem de grande visão para negócios. Tornou-se cidadão brasileiro em 8 de agosto de 1939. Sua obra mais importante foi consolidar o Racionalismo Cristão, do qual foi presidente por quase 60 anos, sucedendo a Luiz de Mattos, o fundador dessa Doutrina. Faleceu no Rio de Janeiro, em 12 de junho de 1983.

Almanaque - Edição 36 - Dezembro de 2010

Humor

O barco dos piratas tartamudos

A tripulação de um barco pirata era toda constituída de tartamudos. Estava em alto mar, quando um dos piratas, observando com sua luneta gritou:
– Ba... ba.. barco à vi.. vi... vista.
No convés, o capitão ordenou:
– Pre... pre... preparar ca... ca... canhões.
– Armas pre... pre... preparadas, respondeu o responsável.
Continuou o capitão:
– Ap... ap... apontar armas.
– Ca... ca... canhões apontados.
– Fo... fo... fooogo!
E os canhões obedeceram:
– Pu... pu... pum!

Passatempo

Temos disponíveis vários cubos, bolinhas e piões.

Na primeira figura vemos como a balança se equilibra com 12 bolinhas, 3 cubos e 1 pião.

A segunda figura mostra que o pião pesa o mesmo que um cubo e 8 bolinhas.

Como equilibrar a balança na terceira situação?



Dica: usar conhecimentos de matemática elementar como

a = b
b = c
logo, a = c

e lembrar que se uma mesma quantidade é subtraída ou somada aos dois lados de uma igualdade, ela continua válida.

Resposta na próxima edição.

Resposta da edição anterior:

O prefeito eleito obteve 1.336 votos; os demais candidatos obtiveram 1.314, 1.306 e 1.263 votos.

Para pensar

Fragmentos de obras editadas pelo Racionalismo Cristão


Há formas sutis de obsessão – imperceptíveis aos olhos daqueles que não se acham familiarizados com o assunto – que se podem desenvolver e levar as pessoas à loucura. É de grande vantagem, por isso, todos se instruírem a respeito da sua manifestação, ainda na fase inicial.

Em face da sutileza com que a obsessão se apresenta, as vítimas não se apercebem dos riscos a que estão expostas e deixam, por isso, de cortar o mal pela raiz, quando ainda estão em condições de fazê-lo. A obsessão vai penetrando lentamente e tomando conta da pessoa. Esta, por sua vez, não lhe dá importância e, quando se vai habituando a aceitar o que o obsessor lhe intui, o domínio deste passa a ser maior, mais rápido e violento.

Melhore seu vocabulário em inglês

O texto a seguir foi composto com base apenas nas 500 palavras mais usadas em inglês. Aproveite para rever ou construir seu vocabulário. Algumas palavras e expressões têm sua tradução ao longo do texto. No corpo do texto, coloque o mouse sobre a palavra ou expressão em vermelho para ver a tradução.

In a hot country (continuação da edição anterior, e conclusão)

The five men walked through the streets to the building. It was still full of noise. Some of the men were running about. One was telephoning noisily. The fight was not finished.

One man was making no noise at all. He was sitting at a big table with some papers in front of him.

— What's your name? said Moon to him.
— Kelly, he said.
— Take that man, Kelly, to the police station, said Moon to his policemen.
— But I must stay here and do my work, said Kelly. I have to write down on these papers everything that's written on the boxes.
— Someone else can do that, said Moon. Take him away.

The four men went out and then Carver spoke.

— But, he said, that man wasn't making any noise at all.

Moon did not answer. He went out and Carver went after him. When they were walking through the streets, Carver was sorry for Kelly.

—  You've not taken the right man, Moon – he said.

Moon said nothing.

When they were in the police station again, Moon sat down once more in his old place.

— Put Kelly in that room, – he said to a policeman –, and shut the door.

He began to write.

Carver could not understand this at all.

— Kelly wasn't making the noise, he said. You must find the owner of the building, and bring him here. Those other men are still fighting and moving boxes. Only the owner can stop them. We must find the owner. We want the owner, not Kelly.
— I know my work better than you know it, said Moon. Sit down on that chair and wait.
— What shall I wait for?
— Wait.

   Carver sat in the police station for a long time. He thought sadly of his bed. Then there was a noise at the door. A bald, fat and angry man came in.
— Have you got Kelly here? he cried.
— Who are you? said Moon quietly.
The man did not answer the question.
— You've taken Kelly away from his work, he said angrily. I went to see my men, and I couldn't find Kelly. I pay him a lot of money, and he's doing no work at all. The other men told me about you. Why did you bring him here? Where is he? You must let him go back to his work at once. I pay my men and they must work.
— Are you the owner of that place? said Moon.
— Yes, I am.
— Bring Kelly out of that room, said Moon to a policeman.
— And be quick! – cried the fat man.
— And put this fat old man in the room and shut the door, said Moon. Then he turned to Carver
— Do you understand now, my friend? he said.

As 1001 noites

A história que é toda mentiras

Certa noite, tomado de insônia, o califa Harun Ar-rashid mandou chamar o poeta Abu-Nauas e disse-lhe:

— Ó Abu-Nauas, estou agitado e oprimido. A única coisa capaz de me divertir seria ouvir uma história tecida de mentiras da primeira à última palavra. Se puderes improvisar essa história, recompensar-te-ei generosamente; mas se puseres nela um grão de verdade sequer, juro que farei com que a tua cabeça se separe do teu corpo.

Este estranho pedido fez o pobre Abu-Nauas sentir-se bem indisposto, especialmente na região do seu pescoço. Mas ninguém escapa à vontade de um califa. O poeta pediu vinho, bebeu e começou a falar:

"Sabei, ó Comandante dos Fiéis, que quando meu pai nasceu, minha avó entregou-me a criança e me pediu que a distraísse. Levei meu pai no ombro e saí para a rua. Mas meu pai chorava, e chorava, e chorava, e nada conseguia acalmá-lo até que viu um cesto de ovos na porta de uma quitanda; então, sossegou de repente e, indicando o cesto, disse:

"Quero um desses!" Comprei-lhe um ovo, e ele ficou radiante.

Para ler o texto completo, clique AQUI.

Efemérides

05 dez 1868: Arnold Johannes Wilhelm Sommerfeld
Físico russo nascido em Königsburg. Seu modelo atômico permitiu explicar as linhas espectrais de estrutura fina. Em seus trabalhos sobre espectros atômicos, sugeriu substituir as órbitas circulares de Bohr por elípticas. Desta idéia postulou o número quântico azimutal e, mais tarde, introduziu, também, o número quântico magnético. Sua teoria dos elétrons em metais mostrou-se fecunda no estudo da termoeletricidade e da condução metálica. Faleceu em Munique, em 26 de abril de 1951.

05 dez 1901: Werner Karl Heisenberg
Físico e filósofo alemão nascido em Würzburg. Considerado, geralmente, o pai da Mecânica Quântica. Como conseqüência da sua rejeição por qualquer tipo de modelo para o átomo, usou matrizes para descrever suas propriedades. Por esse trabalho ganhou o prêmio Nobel de Física em 1932. Seu famoso princípio da incerteza (1927) transcendeu os limites da Física. Faleceu em Munique, em 1 de fevereiro de 1976.

07 dez 1823: Leopold Kronecker
Matemático prussiano, nascido em Liegnitz. Suas contribuições mais importantes foram para a Teoria dos Números, Teoria das Equações Algébricas e Álgebra Superior. A função delta de Kronecker tem esse nome em sua homenagem. Faleceu em Berlim, em 29 de dezembro de 1891.

10 dez 1920: Clarice Lispector
Nasceu em Tchetchelnik (Ucrânia). Veio ainda menina para o Brasil e morou no Recife, PE. Autora de Perto do coração selvagem; A maçã no escuro e A hora da estrela, entre outras obras, inclusive para crianças. É considerada uma das maiores escritoras brasileiras. Faleceu no Rio de Janeiro, em 09 de dezembro de 1977.

10 dez 1804: Carl Gustav Jacob Jacobi
Matemático alemão, nascido em Postdam. Foi um dos fundadores da teoria das funções elípticas (com o norueguês Niels Henrik Abel). De suas contribuições pioneiras à teoria dos determinantes surgiu o determinante funcional que hoje leva o seu nome (nosso conhecido jacobiano). Faleceu em Berlim, em 18 de fevereiro de 1851.

11 dez 1893: Alceu Amoroso Lima (Tristão de Athayde)
Escritor brasileiro, nascido no Rio de Janeiro. Até sua morte, exerceu uma poderosa influência na vida cultural brasileira. Sua obra é imensa e atinge os mais diversos campos: crítica literária, sociologia, direito, filosofia, religião, etc. Faleceu em Petrópolis, em 14 de agosto de 1983.

16 dez 1865: Olavo Bilac
Poeta brasileiro nascido no Rio de Janeiro. Além de poeta foi cronista, jornalista e conferencista. Contudo, é mais conhecido pela sua obra poética. Bilac é o mais típico dos nossos parnasianos, estilo que ele mesmo chegou a codificar no soneto "Profissão de fé" – para ler esse soneto clique AQUI. Faleceu no Rio de Janeiro, em 28 de dezembro de 1918.

24 dez 1822: Charles Hermite
Matemático francês nascido em Dieuze. Seu trabalho em teoria das funções inclui a aplicação das funções elípticas para encontrar a primeira solução da equação geral do quinto grau (equação quíntica). Publicou a primeira prova de que e é um número transcendental. Deu importantes contribuições para o desenvolvimento da teoria das formas algébricas, e teoria das funções elípticas e abelianas. Faleceu em Paris, em 14 de janeiro de 1901.

25 dez 1642: Isaac Newton
Filósofo e matemático inglês nascido em Woolsthorpe. Descobriu o cálculo infinitesimal e é o autor da teoria clássica universal da gravitação. Por seus trabalhos em óptica, foi eleito membro da Royal Society em 1672. Em Cambridge, Newton dedicou muito tempo a experiências alquímicas. Abandonou sua cátedra na universidade para entrar no Parlamento em 1701, e dois anos mais tarde assumiu a presidência da Royal Society, permanecendo neste cargo até a sua morte. Toda sua vida foi marcada por intensas atividades em Matemática, Óptica, Cronologia, Química, Teologia, Mecânica, Dinâmica e Ocultismo. Entre suas mais notáveis contribuições científicas estão o cálculo infinitesimal, a teoria clássica da gravitação universal e sua derivação das leis de Kepler, formulação do conceito de força expresso nas suas três leis do movimento, a teoria corpuscular da luz. Sua obra está compilada em seus dois maiores trabalhos: Philosophiae Naturalis Principia Mathematica, o famoso Principia (1687) (há tradução para o português, da Edusp), e Opticks (1704). Faleceu em Londres, em 20 de março de 1727. As datas mencionadas referem-se ao calendário juliano. A Inglaterra somente adotou o atual calendário gregoriano muito tempo depois do nascimento de Newton. No calendário gregoriano as datas de nascimento e morte de Newton são 4 de janeiro de 1643 e 31 de março de 1727.

28 dez 1882: Arthur Stanley Eddington
Astrônomo e astrofísico inglês, nascido em Kendal. Foi pioneiro dos estudos teóricos do interior das estrelas. Seu trabalho Mathematical Theory of Relativity (1923) muito ajudou para introduzir em idioma inglês as teorias de Einstein. Um de seus livros, Fundamental theory – em que pretende unificar a teoria quântica, a relatividade e a teoria da gravitação de Einstein –, é controvertido e, possivelmente, ainda não compreendido. Faleceu em Cambridge, em 22 de novembro de 1944.

28 dez 1903: John von Neumann
Matemático húngaro nascido em Budapeste. Suas contribuições foram importantes para o desenvolvimento da Mecânica Quântica, Lógica, Meteorologia e dos computadores. Enunciou o teorema mini-max, pedra angular da teoria dos jogos. Em 1956 abiscoitou o Prêmio Enrico Fermi. Faleceu em Washington, em 8 de fevereiro de 1957.