Valdir Aguilera
 Físico e pesquisador

 

 

Sistema Solar em miniatura

Agência FAPESP - 15 fevereiro 2008

Com a ajuda de uma nova técnica de observação, astrônomos de 11 países descobrem sistema semelhante ao Solar, com planetas que lembram versões reduzidas de Júpiter e Saturno.

Um grupo internacional de cientistas acaba de anunciar a descoberta de um sistema solar a cerca de 5 mil anos-luz que conta com versões reduzidas dos planetas Júpiter e Saturno. A observação indica que a Via Láctea pode conter muitos sistemas estelares semelhantes ao qual pertence a Terra.

A descoberta, feita a partir da colaboração de 70 astrônomos de 11 países, entre os quais amadores, está descrita na edição de 15 de fevereiro da revista Science. O grupo, coordenado por Scott Gaudi, da Universidade do Estado de Ohio, nos Estados Unidos, usou telescópios de 11 observatórios, em locais como Chile, Tasmânia, Israel e Ilhas Canárias.

  Segundo os autores do estudo, o sistema encontrado aparenta ser uma versão análoga e reduzida do Sistema Solar. Um dos planetas tem cerca de 70% da massa de Júpiter, e outro, 90% da de Saturno. A estrela que eles orbitam tem aproximadamente 50% da massa do Sol.
Embora a estrela seja muito menos radiante do que o Sol, as temperaturas dos planetas são semelhantes às de Júpiter e Saturno, por conta da maior proximidade em relação ao sol do sistema.
"O mais fascinante é que se colocarmos tudo em escala em relação à massa e ao brilho de sua estrela, tanto as massas

dos planetas como a quantidade de luz que recebem estão muito próximas aos valores de Júpiter e Saturno. Ou seja, descobrimos um sistema solar análogo, ou ‘escalonado’, ao nosso", disse Gaudi.

Os dois planetas foram observados quando a estrela que orbitam cruzou em frente a uma estrela mais distante, em relação à posição da Terra. O resultado foi que durante um período de duas semanas, entre março e abril de 2006, a estrela mais próxima ampliou em 500 vezes a luz da mais distante, em um evento conhecido como microlente gravitacional.

A técnica de observação a partir do fenômeno é baseada em um conceito discutido inicialmente por Albert Einstein no início do século 20. Quando astrônomos observam uma estrela, as ondas luminosas viajam da estrela até o telescópio. Entretanto, se outra estrela cruza o caminho – ainda que separadas por grandes distâncias –, a gravidade do objeto mais próximo atua como uma lente que aumenta a luz.

Telescópios não são capazes de identificar detalhes na imagem ampliada, mas conseguem perceber um pico na intensidade luminosa. E, quando um planeta está presente e próximo à estrela mais próxima, a gravidade do planeta adiciona um pico próprio. E é esse pico que é usado pelos astrônomos para determinar o tamanho do planeta e a distância de sua estrela.

"Esta é a primeira vez em que um planeta com massa similar à de Júpiter é detectado junto com planetas adicionais. Podemos chamar isso de sorte, mas acho que significa que tais sistemas são comuns em nossa galáxia", disse Gaudi.

O artigo Discovery of Jupiter/Saturn analog with gravitational microlensing, de Scott Gaudi e outros, pode ser lido por assinantes da Science em www.sciencemag.org.


 

De "Sistema solar em miniatura" para "Artigos"

Copyright©2008 valdiraguilera.net. All Rights Reserved